0

Bolsonaro exclui governadores de novo Conselho da Amazônia

Grupo com 14 ministros será liderado pelo vice Hamilton Mourão

12 fev 2020
11h53
atualizado às 12h06
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Gabriela Biló / Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta terça-feira (11), durante cerimônia no Palácio do Planalto, um decreto para transferir o Conselho Nacional da Amazônia Legal do Ministério do Ambiente para a Vice-presidência.

Segundo o decreto, revelado pela Secretaria de Comunicação Social, o conselho será liderado pelo vice-presidente da República, Hamilton Mourão, e contará com 14 ministros do governo federal. No texto, os governadores da Amazônia Legal não integram o conselho, como era a composição anterior, conforme decreto criado em 1995, no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Ontem (11), Mourão afirmou que o principal objetivo do Conselho da Amazônia, reinstalado pelo presidente Jair Bolsonaro, será o de integrar ações federais na região amazônica, incluindo articulação com estados, municípios e sociedade civil.

"Foi observado pelo governo que existem várias políticas públicas, nos mais diferentes ministérios, que atuam praticamente independentes, sem haver uma integração das mesmas e, com isso, leva ao desperdício de recursos e à perda de eficácia das ações. Então, a criação do conselho é para que a gente consiga ter um comando, um controle dessas atividades, que haja comunicação entre os diferentes órgãos governamentais, todos falando a mesma linguagem, que tenhamos um inteligência direcionada para o que acontece na região amazônica, para que a gente possa agir a tempo", disse Mourão, em coletiva de imprensa após a solenidade.

Bolsonaro exclui governadores de novo Conselho da Amazônia
Bolsonaro exclui governadores de novo Conselho da Amazônia
Foto: ANSA / Ansa

Pelo decreto assinado, publicado na edição de hoje (12) do Diário Oficial da União, o conselho terá poderes para propor e acompanhar políticas públicas regionais e, entre outras atribuições, coordenar ações de prevenção, fiscalização e repressão a ilícitos e o intercâmbio de informações na Amazônia Legal. Queimadas e desmatamento.

De imediato, Mourão informou que a ideia é que o conselho se antecipe a eventuais problemas relacionados a queimadas e desmatamento na região. No ano passado, de acordo com dados consolidados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foi registrado um aumento de 30% de queimadas na Amazônia, na comparação com 2018. O vice-presidente não descartou solicitar novamente o apoio das Forças Armadas para coibir ações ilegais na região.

"Nós sabemos onde está o problema. A análise das imagens de satélite, sejam a fornecidas pelo Inpe, seja do trabalho que é feito pelo Centro de Controle do Sistema de Proteção da Amazônia, o Censipam, fornece as áreas onde há problema. Então, vamos nos dedicar, de imediato, nessa questão da preservação, numa primeira medida, buscando nos antecipar ao problema e evitar que ocoorram desmatamentos e queimadas além daquilo que está previsto legalmente. (...) Provavelmente, teremos que solicitar apoio das Forças Armadas, de modo que a gente tenha capacidade de gerenciar uma possível crise que possa ocorrer, ainda fruto do que ocorreu no ano passado, a gente sabe que áreas que já foram derrubadas no ano passado podem ser queimadas este ano", disse.

Mourão garantiu que o conselho ouvirá representantes da sociedade civil, incluindo a academia, para construir políticas públicas que possam, além de garantir a preservação ambiental, oferecer alternativas de desenvolvimento sustentável para a Amazônia, que abriga uma população de 25 milhões de pessoas. "O desenvolvimento da Amazônia passa pela bioeconomia, pelo ordenamento territorial, temos que conversar com as pessoas que estão no terreno e conhecem, de modo que nós tenhamos condições de fazer um alinhamento e estabelecer efetivamente uma política do Estado brasileiro".

(ANSA - Com informações da Agência Brasil)

Veja também:

Bolsonaro faz novo exame para detectar covid-19
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade