PUBLICIDADE

Segurança das mulheres: 5 leis já aprovadas que precisam ser implementadas com urgência

Apesar de já estarem valendo, na prática, a execução dos novos dispositivos ainda depende de cobrança da sociedade civil

26 fev 2024 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Leis de defesa de violência contra mulher já foram aprovadas, falta agora implementação
Leis de defesa de violência contra mulher já foram aprovadas, falta agora implementação
Foto: Ramiro Furquim/Agência Senado

O Estudo Global sobre Homicídios de 2023, divulgado pela ONU, escancara uma realidade que já temos conhecimento: o Brasil é um dos países mais inseguros para as mulheres no mundo. Os dados apontam que 54% dos assassinatos de mulheres no último ano aconteceram em contextos domésticos, sendo 66% desses homicídios cometidos por parceiros íntimos. 

Levantamentos do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, do Governo Federal e de outros órgão públicos e organizações de sociedade civil apontam na mesma direção o que fez com que o legislativo se debruçasse sobre o tema e criasse leis para o combate à violência contra as mulheres. 

No entanto, seja por falta de recurso ou interesse do poder público e da sociedade em geral, muitas destas leis não foram aplicadas na prática. O Terra NÓS, a partir de um levantamento do site especializado em direito e justiça CONJUR, listou 5 leis federais já aprovadas que precisam ser implementadas com urgência para melhorar a segurança das mulheres no país. 

Não é só bater: outros tipos de violência contra a mulher Não é só bater: outros tipos de violência contra a mulher

Lei 14.540 

A lei que instituiu o "Programa de Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Sexual e demais Crimes contra a Dignidade Sexual e à Violência Sexual" tem como propósito prevenir e enfrentar a prática do assédio sexual, violência sexual e demais crimes contra a dignidade sexual na administração pública, direta e indireta, federal, estadual, distrital e municipal. Falta agora a capacitação de agentes públicos e o desenvolvimento e implementação de campanhas educativas.

Lei 14.550

O dispositivo, que altera a Lei Maria da Penha, prevê proteção imediata para mulheres que denunciam violência doméstica tornando as medidas protetivas de urgência mais eficazes, inclusive sem a necessidade de boletim de ocorrência. A lei também retira os prazos das medidas protetivas e configura toda situação de violência doméstica e familiar contra a mulher como violência baseada no gênero, sem abertura para interpretação de juízes. 

Lei 14.786

O celebrado e necessário protocolo “Não é Não”, que “estabelece deveres para casas noturnas, boates, espetáculos musicais e shows com venda de bebidas alcoólicas, visando proteger os direitos da mulher contra violência e constrangimento”, também foi aprovado, mas ainda falta um caminho para ser colocado em prática. Falta principalmente fiscalização aos estabelecimentos para a implementação do protocolo. 

A lei pretende combater o constrangimento, caracterizado pela insistência física ou verbal sofrida pela mulher depois dispensar a interação com a outra pessoa, e a violência física. Cada estabelecimento irá monitorar as situações de constrangimento e indícios de violência. Caso vejam essas cenas, os funcionários do local precisam ajudar a vítima e auxiliar na prestação de qualquer assistência necessária.

Estupro marital: a violência contra a mulher na intimidade Estupro marital: a violência contra a mulher na intimidade

Lei 14.713 

A lei estabelece o risco de violência doméstica ou familiar como causa impeditiva ao exercício da guarda compartilhada e impõe ao juiz o dever de indagar previamente ao Ministério Público e às partes sobre situações de violência doméstica ou familiar que envolvam o casal ou os filhos. O objetivo é evitar o uso da guarda dos filhos como estratégia de defesa, como teria acontecido no caso da apresentadora Ana Hickmann.

Lei 14.541

A lei garante o funcionamento de Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deams) durante toda a semana, assim como fins de semana e feriados. Segundo o novo dispositivo, em caso de municípios em que não há delegacia especializada, as delegacias gerais devem contar com agente feminina para atendimento à mulher vítima de violência. A lei aguarda ainda organização da administração pública para ser amplamente implementada. 

As mulheres que investigam feminicídios sem punição:
Fonte: Redação Nós
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade