PUBLICIDADE

Apenas 14% das empresas têm esforços efetivos para serem mais diversas

Um estudo feito pela consultoria de recursos humanos Korn Ferry ouviu o que 250 empresas brasileiras têm feito para melhorar a diversidade, equidade e inclusão

14 abr 2022 - 16h55
Compartilhar
Exibir comentários
Imagem mostra uma mulher negra em um ambiente corporativo digitando em um notebook.
Imagem mostra uma mulher negra em um ambiente corporativo digitando em um notebook.
Foto: Safira Moreira/Olabi / Alma Preta

Os últimos dois anos transformaram o tema de diversidade e inclusão ao redor do mundo e as empresas se viram diante da necessidade de, não só abordar o assunto, como realmente levar isso para dentro de suas realidades.

Um estudo feito pela consultoria de recursos humanos Korn Ferry com 250 empresas brasileiras identificou que 85% das companhias aceleraram seus investimentos em diversidade, equidade e inclusão entre 2020 e 2021, mas apenas 14% tiveram esforços efetivos.

Segundo a pesquisa, os principais desafios para implementar iniciativas de diversidade nas empresas são transformar intenção em iniciativas pragmáticas (69,5%), mudar comportamentos (67,5%), assegurar líderes responsáveis (48,7%), vincular custos e resultados (39,5%) e orçamento (35,5%).

A líder regional de Diversidade, Equidade e Inclusão da Korn Ferry, Cecília Pinzon, destaca que todos os setores das companhias ouvidas apresentaram ações de promoção à diversidade.

"Nos últimos anos um caminho foi percorrido pelas empresas no Brasil, começamos com a implementação de projetos de DE&I que vinham dos Estados Unidos e da Europa, mas agora podemos sentir uma diferença importante", afirma.

O levantamento questionou quais são as principais práticas desenvolvidas para a diversidade. Políticas contra discriminação, bullying e assédio lideram entre as mais citadas(67%), seguidas por cultura de expressão e segurança psicológica (63%), diagnóstico organizacional de diversidade e inclusão (60%) e criação de um conselho/comitê de diversidade (57%).

Para a diretora de Diversidade, Equidade e Inclusão da Korn Ferry, Milene Schiavo, se tratam de ações importantes, mas que precisam de iniciativas estruturais e comportamentais paralelamente.

"As estruturas, sistemas e políticas precisam ser modificadas com uma lente mais inclusiva. Além de criar políticas, comitês e grupos, é preciso atuar em questões estruturais, que são aquelas capazes de realmente mover os indicadores", reforça.

"Ainda não vemos programas muito robustos de desenvolvimento, abertura às diferenças e essas são soluções que ainda precisam avançar mais", complementa.

61% das vítimas de racismo no trabalho não denunciam por medo

Alma Preta
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade