PUBLICIDADE

Stellantis terá novo sistema de condução autônoma em 2025

Seguindo os passos de rivais, Stellantis promete novo sistema em que motoristas não precisam interagir com o veículo já em 2025

8 jul 2024 - 12h56
Compartilhar
Exibir comentários

Com certo atraso, a Stellantis finalmente lançou seus sistemas de assistência à condução nos Jeep Grand Cherokee e Grand Cherokee L. A dupla pode receber como opcional o Hands-free Active Driving System, que inclui equipamentos como centralização de faixa e redução de velocidade preditiva em curvas. 

Funciona apenas em rodovias pré-aprovadas, mas em qualquer velocidade e faz até a troca de faixa de forma automática quando o motorista liga a seta. Ainda assim, é uma evolução em relação ao Active Drive Assist, pacote com controle de cruzeiro adaptativo (ACC) e centralização de faixa - até 145 km/h.

Próximos passos da Stellantis 

Durante evento com investidores, em meados de junho, a empresa revelou uma prévia do que seria a evolução dessas tecnologias: o AutoDrive. Tudo começa no chamado STLA Brain, um computador central robusto capaz de reunir grandes quantidades de informações de veículos e sensores em uma experiência de condução segura e confortável aos usuários.

Assim como em outras marcas, como a BMW e a Rivian, por exemplo, isso resulta em redução significativa no número de unidades eletrônicas de controle (ECUs). Isso porque a central de dados do "cérebro" está ligada a um maior número de sistemas, gerando respostas mais rápidas que as normalmente necessárias no veículo. Para isso, a Stellantis vai usar chips da Qualcomm.

Jeep Grand Cherokee 4xe Plug-in Hybrid é um dos carros da Stellantis que deve começar a receber a tecnologia
Jeep Grand Cherokee 4xe Plug-in Hybrid é um dos carros da Stellantis que deve começar a receber a tecnologia
Foto: Stellantis / Guia do Carro

Evolução dos rivais

Assim, o AutoDrive - controlado pelo STLA Brain - será o passo seguinte ao Hands-Free Active Driving Assist. Se comparado aos sistemas de rivais como o BlueCruise, da Ford; ou Super Cruise, da GM; a empresa diz que sua tecnologia eventualmente vai oferecer o nível 3 de condução semiautônoma em estradas aprovadas, em que o motorista não precisa usar as mãos ou mesmo prestar atenção.

Por ora, os engenheiros e programadores da Stellantis trabalham em aumentar a quantidade de tempo em que o veículo exige a intervenção do motorista de 10 minutos para 40 minutos.

Enquanto isso, a BMW poderá usar seu Personal Pilot Level 3 na Alemanha. Já a Mercedes-Benz recebeu aprovação para utilizar o sistema Drive Pilot (que também é nível 3) nos estados da Califórnia e Nevada, nos EUA. O AutoDrive deve chegar em carros de algumas marcas do grupo Stellantis em 2025.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade