PUBLICIDADE

Análise: demo de Roadout entrega tudo e mais um pouco

Jogo da Rastrolabs Game Studio mistura Zelda 2D com as perseguições e desertos de Mad Max

5 jul 2022 - 12h00
(atualizado às 13h02)
Ver comentários
Publicidade
Roadout mistura entre exploração, combate 2D e corrida
Roadout mistura entre exploração, combate 2D e corrida
Foto: Rastrolabs Game Studio / Divulgação

Poder dirigir sem roteiro por um deserto roxo com criaturas e lugares excêntricos embalado por uma trilha vaporwave cyberpunk foi a experiência que eu estava precisando ao entrar nesse terceiro ano de pandemia do coronavírus. Roadout, desenvolvido pela Rastrolabs Game Studio, recebeu uma demo aberta em dezembro de 2021 com cerca de quarenta minutos de jogabilidade linear, mas com uma amostra já satisfatória de seu imenso mapa e profunda exploração.

Eu conheci o Roadout por acaso, em alguma publicação sugerida pelo Twitter do diretor de arte do jogo, o Gabas, e por sorte consegui jogar a demo em seu último fim de semana.

O jogador controla Claire, uma mercenária que realiza entregas e serviços na Zona Morta, um deserto roxo dividido entre facções, que é refúgio da vida orgânica que restou no mundo, uma vez que uma Inteligência Artificial chamada MOIRA tomou conta de todo o resto. Claire não possui memórias de seu passado, mas parece ter alguma ligação com a tal IA déspota.

Os desenvolvedores gostam de definir Roadout como uma mistura entre The Legend of Zelda e os filmes de Mad Max e isso faz bastante sentido. Da franquia da Nintendo, a Rastrolabs trouxe a exploração de masmorras, os puzzles e o combate top-down 2D, enquanto as perseguições com carros por desertos futuristas distópicos e o visual espalhafatoso dos personagens deixam bem clara a influência do universo criado por George Miller.

E o brilho do jogo transita entre esses dois cenários muito bem. Apesar de 2D, Roadout possui um sistema de três dimensões em suas dungeons, fazendo com que os cenários girem em quatro direções para revelar novos caminhos, salas secretas e alavancas escondidas para resolver diversos quebra-cabeças.

Mas antes de chegar nas masmorras o jogo apresenta mapas enormes com diversas áreas, biomas e paisagens coloridas para explorarmos dando uma volta de carro. E essa parte com certeza foi uma das grandes surpresas do jogo. Dirigir pelos desertos roxos da Zona Morta pode ser um pouco confuso até você se acostumar com o controle do carro, que lembra um pouco a direção dos GTA antigos, mas fica muito divertido e prazeroso depois disso. Eu conseguiria passar horas só dirigindo por aí descobrindo novos lugares e desviando dos mamutes-meio-máquinas que te atacam por nada. Na demo só não foi possível testar o sistema de batalha dentro dos carros, então fico ansioso para poder ver isso num próximo teste.

O combate nas dungeons, fora dos carros, é simples, mas fluido, e promete ter uma boa diversidade com o sistema de craft e melhorias feitas através do bracelete cibernético que Claire usa. Teremos dashs, atordoamentos, combate corpo a corpo e também a distância, além de outras habilidades e customizações no Roadout, o carro da mercenária.

O jogo terá três grandes facções inimigas - os biopunks, os cyberpunks e os dieselpunks - e sua reputação enquanto mercenária ditará sua relação com os territórios de tais gangues. O universo de Roadout vai se autogerir e tudo o que você fizer ou não fizer mudará a dinâmica de controle dessas áreas, com outros mercenários procedurais completando as missões que o jogador resolva não fazer. Se você precisar completar uma missão em uma dungeon dominada pelos biopunks e sua reputação com eles estiver ruim, por exemplo, provavelmente sua vida não vai ser tão fácil. Outro ponto que será afetado pelo sistema será a exploração de carro. É bem possível que um passeio tranquilo pelo deserto se torne uma grande perseguição à la Mad Max caso você esteja perto dos domínios errados.

Com mais uma demo um pouco mais encorpada vindo aí, a Rastrolabs planeja lançar a versão final do jogo no segundo semestre de 2022 inicialmente para PCs pela Steam através de uma publisher ainda não revelada. O estúdio também já está preparando versões para consoles enquanto negocia a chegada do jogo nas plataformas.

Roadout deverá ter uma campanha de cerca de 11 horas diretas, chegando a umas 20 horas contando com as missões secundárias. A ideia dos desenvolvedores é o jogo ter uma espécie new game plus para o jogador poder explorar mais do conteúdo paralelo. Além, claro, das possíveis milhares de horas a passeio por esse universo com a trilha no talo, óculos escuro e cabeça pra fora da janela pra pelo menos fingir que eu posso sair de casa tranquilo depois de mais de dois anos de pandemia.

Controles Voadores
Publicidade
Publicidade