PUBLICIDADE

Jogadores

Guga cita "carisma" de Sharapova e defende evento exclusivo

6 dez 2009 - 14h45
(atualizado às 15h08)
Compartilhar

Ex-número 1 do mundo e dona de três Grand Slams, a russa Maria Sharapova enfrentou a argentina Gisela Dulko em um amistoso restrito a convidados e disputado para promover um empreendimento imobiliário de alto padrão no interior paulista. Preocupado com o futuro do esporte, o brasileiro Gustavo Kuerten citou o carisma da musa para defender o evento exclusivo.

» Nadal agradece o resultado da Davis após temporada ruim

» Nadal e Ferrer vencem e Espanha faz história com 5 a 0

» Sharapova vence "amistoso VIP" no interior de São Paulo

» Sharapova elogia comida brasileira e brinca no videogame

"Ela tem um carisma diferenciado, além de ser uma menina bonita. Ela atrai até as jovens que estão querendo ser modelos e veem que no tênis podem ter uma carreira que envolva as duas coisas. Gera uma mobilização, uma vontade maior de estar envolvida com o tênis, principalmente dessa criançada", disse o ex-tenista, que ganhou três Roland Garros e também liderou o ranking mundial.

A vitória de Sharapova sobre Dulko foi acompanhada por apenas 800 convidados. Na arena que abrigou a quadra sintética armada especialmente para o evento, os privilegiados espectadores brindavam com champanhe e vinho entre maquetes do empreendimento imobiliário que oferece campo de golfe e heliponto. Antes do jogo, a brasileira Maria Esther Bueno, dona de 19 Grand Slams, ministrou uma clínica de tênis.

"Acho que é um fator interessante, ainda mais da maneira que a Sharapova consegue contagiar as pessoas. Com o volume de mídia num evento como esse, as pessoas ficam sabendo de tudo que está acontecendo. Uma menininha ou os próprios pais veem um jogo como esse e podem ter o sonho e o interesse de que aconteça algo no futuro", disse Guga, chamado pelos organizadores para homenagear Maria Esther Bueno.

Por outro lado, o brasileiro admite que o evento não contribui diretamente com o desenvolvimento do esporte nacional. "Não é isso que vai fazer o tênis brasileiro evoluir, sem dúvida nenhuma. A gente depende de uma estrutura adequada e de um trabalho mais pragmático para não continuar dependendo de casos esporádicos", afirmou Guga, que oferece o tênis a mais de mil crianças em seu Instituto localizado em Florianópolis.

Com Maria Fernanda Alves, 26 anos, como sua melhor representante no ranking mundial (267º posto), o tênis feminino brasileiro vive uma situação delicada. Entre os homens, a esperança é Thomaz Bellucci, 21 anos e 36º do mundo. No mesmo dia que Sharapova enfrentou Dulko, ele venceu a Brasil Masters Cup, realizada em um resort localizado em Mogi das Cruzes também para seletos espectadores.

Sharapova participou de uma partida de exibição em Porto Feliz
Sharapova participou de uma partida de exibição em Porto Feliz
Foto: Gazeta Press
Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra