PUBLICIDADE

Gordinho e preguiçoso: como o Jiu-Jitsu deu confiança e melhorou a autoestima do campeão do BJJ Stars Felipe "Preguiça"

Faixa-preta iniciou no esporte para perder peso, ganhou o apelido de preguiça e usou como motivação para se tornar um dos maiores nomes da arte suave

15 jun 2021 17h42
ver comentários
Publicidade

Um dos maiores campeões de Jiu-Jitsu da sua geração, Felipe Pena, o Preguiça, não teve um início, digamos, promissor. Por influência do irmão, ele entrou no esporte ainda adolescente, quando tinha apenas 15 anos, com o intuito de perder peso e combater o bullying. Mas, por estar gordinho, ser lento e não gostar de treinar, ele ganhou logo no início o apelido que carrega até hoje. E o que tinha para dar errado, deu certo. Ele usou o apelido como fator motivacional e passou a treinar cada vez mais. Aos poucos foi perdendo peso, se apaixonando pelo esporte e pegando gosto pelas competições.

Felipe Preguiça vai defender o cinturão dos pesados contra Patrick Gaudio no BJJ Stars 6 (Foto: Carol Haber)
Felipe Preguiça vai defender o cinturão dos pesados contra Patrick Gaudio no BJJ Stars 6 (Foto: Carol Haber)
Foto: Lance!

"Quando comecei no Jiu-Jitsu eu era bem gordinho, sedentário, e o Jiu-Jitsu mudou a minha vida. Não apenas pelo fato de ter emagrecido, mas com os passar dos anos praticando você vai aprimorando alguns valores e características que são muito importantes fora do tatame. Isso é algo natural do Jiu-Jitsu. Você vai trabalhando características que ajudam muito fora do tatame, como confiança, resiliência, superação, paciência, humildade, força de vontade, adaptação… Essas características e valores você acaba levando pra vida, e isso é o mais legal", destacou o faixa-preta formado por Marcelo Uirapuru.

Aos 29 anos, o mineiro de Belo Horizonte hoje compete na categoria meio-pesado (88kg) e se aventura constantemente no absoluto. Habilidoso, resiliente e confiante, Preguiça já conquistou praticamente todos os títulos possíveis no Jiu-Jitsu, como Brasileiro, Europeu e o Mundial. Além do prestigioso ADCC, maior evento de luta agarrada do mundo. E o último grande título conquistado foi o GP do BJJ Stars, que aconteceu este ano em São Paulo. Felipe derrotou três oponentes, faturou 100 mil reais e conquistou o cinturão dos pesados.

"O GP estava igual a um absoluto de Mundial, tinha grandes nomes, os melhores da atualidade, e consegui vencer três lutas para ser campeão. A primeira foi contra o Luiz Panza, que eu consegui achar uma finalização, uma guilhotina. A segunda foi contra o Erich Muniz, um faixa-preta que vem despontando e já ganhou de grandes nomes. E a final foi contra o Gutemberg Pereira, que fez um grande campanha, tirou inclusive um dos favoritos, que era o Nicholas Meregali. Fizemos uma final muito maneira e eu consegui ganhar nos pontos", contou.

E no próximo dia 26 de junho, quando acontece a sexta edição do BJJ Stars, o mineiro colocará seu cinturão em jogo contra um dos grandes nomes da atualidade. Preguiça fará a sua primeira defesa de cinturão contra Patrick Gaudio, a quem já enfrentou em duas oportunidades, a última delas na final do Mundial de Jiu-Jitsu de 2018, quando venceu a luta nas vantagens.

"Nos enfrentamos duas ou três vezes, uma delas na final do Mundial de 2018. Acho que será uma briga muito boa. O Patrick é um cara muito forte, muito explosivo e improvisa bem nas posições. Todas as vezes que lutamos foi uma guerra! É um cara que não desiste, é muito guerreiro. Eu também sou e acredito que quando os dois atletas são assim, guerreiros e que lutam pra frente, não tem outro resultado a não ser uma luta muito maneira para o público assistir. Com certeza será um lutão!", concluiu.

O BJJ Stars será transmitido ao vivo pelo sistema de PPV. Para garantir agora o PPV com valor especial, basta acessar o site bjjstars.tv.

Lance!
Publicidade
Publicidade