0

Na estreia de Felipão, Cruzeiro vence o Operário-PR

O Cruzeiro não fez um grande jogo, mas conseguiu encerrar uma sequência de quatro jogos sem vencer na competição

20 out 2020
23h29
atualizado às 23h36
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A estreia de Luiz Felipe Scolari no Cruzeiro foi do jeito que desejava o torcedor celeste: com vitória. Mesmo em outra jornada de fragilidade ofensiva, a equipe mineira conseguiu vencer o Operário-PR por 1 a 0, gol de Arthur Caike, nesta terça-feira, 20 de outubro, em Ponta Grossa, pela 17ª rodada da Série B do Brasileiro.

O resultado tirou o time azul da penúltima colocação, que subiu para 17ª posição, com 16 pontos, a um ponto do primeiro fora da zona do rebaixamento. A equipe paranaense caiu para 10º, com 22 pontos.

 Na estreia de Felipão, Cruzeiro vence o Operário-PR e respira na Série B
Na estreia de Felipão, Cruzeiro vence o Operário-PR e respira na Série B
Foto: João Vitor Rezende Borba / Estadão Conteúdo

Mudanças na escalação

Felipão optou pela volta de Marcelo Moreno no lugar de Sassá e um esquema 4 4 2, com dois homens de frente, dois volantes e dois criativos para tentar fazer o time voltar a vencer na competição. O Operário até tentou colaborar, dando espaços para o Cruzeiro, mas Arthur Caike e Moreno não tinham boa produção diante da zaga do Fantasma.

Problemas de sempre...Muito trabalho pela frente

Sem poder cobrar qualquer mudança intensa no Cruzeiro, o técnico pôde observar a falta de força ofensiva e criativa do time, que não agride, mesmo tendo mais espaços no campo de jogo. As melhores chances cruzeirenses aconteceram no segundo tempo, quando a equipe mineira forçou mais as jogadas de ataque.

Marcelo Moreno: bom na Bolívia, inoperante no Cruzeiro

A aposta de Felipão para o comandar o ataque azul se mostrou(mais uma vez) sem efetividade contra o Operário. O boliviano, que consegue fazer gol na Argentina de Messi, não ganha lances diante da zaga rival em solo brasileiro. O jovem Zé Eduardo, que jogou apenas 12 minutos contra o Oeste, não teve a mesma paciência que os veteranos Sassá e Moreno.

Airton foi o diferencial na vitória...Gol de Arthur Caike

O veloz atacante já estava sendo um dos melhores do time e por opção do treinador, não começou o jogo. Mas, assim que Felipão o colocou em campo, Airton abriu uma boa opção de ataque, fazendo a jogada do gol de Arthur Caike. Bom cartão de visitas para o chefe.

Fábio salva no final

O goleiro azul fez uma defesa espetacular em arremate de Bonfim. Foi a intervenção que garantiu os três pontos.

Vitória depois de quatro jogos. A estrela de Felipão brilhou

O torcedor do Cruzeiro respirou aliviado com os três pontos, que não vinham desde o triunfo sobre a Ponte Preta, há quatro partidas. Felipão terá mais tempo de conhecer o elenco, pois o time celeste só volta a jogar no domingo, 25 de outubro, diante do Náutico, no Recife.

Se o time ainda está longe do ideal, na estreia, a sorte do técnico da Raposa veio à tona em sua volta ao Cruzeiro, começando o trabalho com o "pé direito".

Próximos jogos

A Raposa volta a campo no domingo, 25 de outubro, às 16h, no Estádio dos Aflitos, contra o Náutico, no Recife. O Operário encara a Chapecoense na sexta-feira, 23, às 21h30, em Chapecó, na Arena Condá.

FICHA TÉCNICA

OPERÁRIO-PR 0 X 1 CRUZEIRO

Data-Horário: 20 de outubro, às 21h30

Estádio-Local: Germano Kruger, Ponta Grossa(PR)

Árbitro: Diego Pombo Lopez (BA)

Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha de Matos e Leonardo Sígari Zanon(Ambos da BA)

Cartões amarelos: Matheus Pereira(CRU), Douglas Coutinho(OPE), Sávio(OPE), Adriano(CRU), Ricardo Silva(OPE), Marcelo(OPE), Peixoto(OPE)

Cartões vermelhos;

Gol: Arthur Caike, aos 39'-2ºT(0-1)

Operário-PR: Thiago Braga; Sávio, Bonfim, Ricardo Silva e Peixoto; Leandro Vilela(Jean Carlo, aos 21'-2ºT), Marcelo, Thomaz(Diego Cardoso, aos 28'-2ºT); Douglas Coutinho, Jefinho(Batatinha, aos 37'-2ºT) e Maranhão(Fabiano, aos 28'-2ºT) Técnico: Gérson Gusmão

Cruzeiro: Fábio; Rafael Luiz, Ramon, Cacá e Matheus Pereira; Jadsom, Adriano, Régis(Airton, aos 20'-2ºT); Marquinhos Gabriel(Maurício, aos 26'-2ºT), Arthur Caike(Jadson, aos 44'-2ºT) e Marcelo Moreno. Técnico: Luiz Felipe Scolari

 

Veja também:

Confira a repercussão da morte de Maradona na Argentina e pelo mundo
Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade