PUBLICIDADE

Jornalista questiona Tite sobre espaço a Gabigol: 'Convocar Firmino e não Gabigol seria uma sacanagem'

Rodrigo Bueno, jornalista da ESPN, analisou os motivos para o atacante do Flamengo não ser lembrado na Seleção

10 mai 2021 22h40
ver comentários
Publicidade

Autor de dois gols na vitória rubro-negra na semifinal do Carioca diante do Volta Redonda, Gabigol parece nunca estar em baixa. São 11 gols na temporada e uma média superior a um gol por jogo. Diante dos números, o jornalista da ESPN Rodrigo Bueno analisou nesta segunda-feira os motivos pelos quais Tite, técnico da Seleção Brasileira, não lembra do atacante rubro-negro em suas listas e questionou o comandante da amarelinha.

Gabigol marcou duas vezes contra o Volta Redonda (Foto: Marcelo Cortes / Flamengo)
Gabigol marcou duas vezes contra o Volta Redonda (Foto: Marcelo Cortes / Flamengo)
Foto: Lance!

A priori, Rodrigo Bueno apontou que até mesmo a boa fase do Flamengo, atrelada ao momento pandêmico, interfere na decisão de Tite. Entretanto, levantou dúvidas sobre a meritocracia na Seleção Brasileira.

- A pandemia e a boa fase do Flamengo, ironicamente, estão prejudicando o Gabigol na Seleção Brasileira. Nesse auge do Flamengo de 2019 pra cá, a meritocracia que o Tite tanto defende precisaria colocar o Gabigol na Seleção, mas ele não teve muito tempo para comprovar isso. Ou por que a seleção pouco joga devido aos adiamentos, ou por que o Flamengo está em decisões - disse o jornalista no programa da ESPN "Futebol na Veia".

- A história do Gabigol na Seleção Brasileira já deveria ser maior não fosse o calendário e a pandemia. E agora daqui a pouco tem Eliminatórias e Copa América. Ao meu ver, Gabigol está na frente de jogadores que frequentam o radar do Tite na Europa. É o caso do Firmino, ele nessa temporada pelo Liverpool é um jogador frequente na seleção, mas que caiu de produção. Se o Tite convocar o Firmino e não o Gabigol, do Flamengo, eu vou achar uma sacanagem - concluiu Rodrigo Bueno.

Desde o seu retorno da Europa que Gabi figura entre os maiores goleadores do país. Em 2018, pelo Santos, marcou 27 gols e foi o artilheiro do ano entre os atletas da primeira divisão. Na temporada seguinte, já no Flamengo, repetiu a dose, mas com ainda mais eficiência: 43 bolas na rede. Em 2020, novamente 27 tentos, sendo superado somente por Diego Souza, que fez um a mais. Agora, mais uma vez, o atacante aparece forte na disputa.

Lance!
Publicidade
Publicidade