2 eventos ao vivo

Após cair do cavalo no Pan, atleta brasileiro recebe alta hospitalar

Ruy Fonseca passará por cirurgia no ombro esquerdo nesta quinta-feira, em Belo Horizonte, e deve voltar a montar em cerca de três meses

7 ago 2019
11h58
atualizado às 12h04
  • separator
  • 0
  • comentários

O cavaleiro brasileiro Ruy Fonseca recebeu alta hospitalar após levar um susto em prova de hipismo durante os Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru. Ele sofreu fraturas em três costelas e no úmero proximal do braço esquerdo durante a disputa da prova do Concurso Completo de Equitação (CCE).

"Estou muito feliz de reencontrar o meu cavalo, Ballypatrick SRS, após termos sofrido um acidente no último sábado. É muito emocionante estar novamente com ele, ver que ele está 100% e ter a certeza de que vou me recuperar também para disputarmos as provas qualificatórias de Tóquio 2020", disse Fonseca, nesta terça, após ter alta.

O acidente aconteceu no sábado. O cavaleiro sofreu uma queda das mais impressionantes devido a um tropeço de seu cavalo, Ballypatrick SRS, em um obstáculo na prova de cross-country do CCE. Após a queda, o atleta de 46 anos ficou deitado no gramado antes de deixar a pista, o que gerou preocupação.

O cavaleiro logo recebeu assistência dos médicos do Time Brasil, além dos profissionais da organização dos Jogos. Depois, foi levado ao hospital, onde foi examinado e recebeu o diagnóstico da fratura nas costelas e no ombro. "Estou muito contente de estar aqui, agora, de pé. Realmente foi um pouco assustador o acidente, um dos piores tombos da minha carreira", afirmou o atleta.

Fonseca, ainda em Lima, deve desembarcar no Brasil nesta quarta. Ele será operado na quinta, em Belo Horizonte. "Foi um momento difícil. E, graças a Deus eu estou bem. O cavalo está 100% e agora é só fazer essa operação no ombro esquerdo. Vamos nos preparar para o fim do ano e, se Deus quiser, estaremos prontos para Tóquio-2020."

De acordo com a Confederação Brasileira de Hipismo, o cavaleiro deve estar em condições de voltar a montar em cerca de três meses.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade