0

Campeonato Espanhol

Briga "esquerda x direita" que matou torcedor choca Espanha

Susana Vera / Reuters
1 dez 2014
09h35
atualizado às 09h45
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A morte do torcedor do Deportivo La Coruña Francisco Javier Romero Taboada, no último domingo, deixou a Espanha em choque. Jornais esportivos do país deixaram a rodada do Campeonato Espanhol em segundo plano para repercutir a violência e os requintes de crueldade de uma briga de torcidas que tem como pano de fundo divergências ideológicas.

Em longa reportagem, o El Pais conta com detalhes a história das dois principais grupos envolvidos na pancadaria: a Frente Atlético, “ultras” de extrema direita ligados ao Atlético de Madrid, e o Riazor Blues, organização que tem em comum a esquerda como doutrina política e o Depotivo La Coruña como clube de coração.

Briga de torcidas de Atl. Madrid e La Coruña deixa um morto

No último domingo, os dois grupos se enfrentaram nos arredores do Estádio Vicente Calderón, em Madri, antes da partida entre os clubes pelo Campeonato Espanhol. Segundo relatos de testemunhas e da polícia, cerca de 150 integrantes da “Frente Atlético” e 100 da Riazor Blues brigaram na orla do Rio Manzanares com barras de metal, punhais e outros artefatos.

Em maioria, os ultras do Atlético de Madrid levaram vantagem e dominaram dois torcedores, que foram jogados, já bastante golpeados, de uma altura próxima de 5 metros em direção ao rio. Um deles conseguiu nadar até ser resgatado, mas Francisco Javier Romero Taboada não resistiu após meia hora pedindo socorro e tentando escalar a parede. Antes de cair no rio, ele se segurou ao muro de proteção, mas soltou a mão após receber pancadas dos rivais.

Membros da polícia disseram ter identificado no meio da briga integrantes de outras torcidas ultras: os Bukaneros, setor radical do Rayo Vallecano ideologicamente ligado ao Riazor Blues, e o Ultra Boys, grupo de torcedores do Sporting de Gijón de extrema direita.

Jornal AS dá grande destaque à morte: "A derrota do futebol"
Jornal AS dá grande destaque à morte: "A derrota do futebol"
Foto: Reprodução

A Frente Atlético tem em seu histórico outros casos de violência, entre eles uma briga em 1998 que matou um torcedor da Real Sociedad com uma punhalada. O grupo criado em 1982 tem a doutrina fascista em comum e no começo eram facilmente identificados pelo visual: geralmente os integrantes tinham cabelo raspado e usavam jaquetas de couro. O combate do Atlético de Madrid contra a violência no estádio nos últimos anos impactou o grupo, hoje estimado em 2.500 pessoas.

Já o Riazor Blues nasceu em 1986, primeiro como um grupo formado em uma viagem para um jogo em Oviedo. Os torcedores passaram a ocupar um espaço na arquibancada do Estádio Riazor e cresceram com o acirramento da rivalidade com o Celta de Vigo. Tinham uma cabra como símbolo e eram conhecidos como os “descamisados que viajam a Espanha como animadores”.

A postura política ganhou corpo quando integrantes passaram a confrontar grupos ultras de extrema direita de Vigo, Gijón e Madri, conhecidos por combater o movimento nacionalista galego. Em 2003, o Riazor Blues entrou em uma briga antes de jogo pela Copa do Rei que matou um torcedor do Compostela.

Segundo um levantamento do Marca, todos os 20 times do Campeonato Espanhol têm ao menos um grupo ultra, sendo a maioria de extrema direita com doutrina neonazista. Muitos clubes, como o Barcelona e o Real Madrid, expulsaram essas torcidas de seus estádios.

Jornal Marca mostra foto de torcedores detidos em sua capa e pede um basta na violência
Jornal Marca mostra foto de torcedores detidos em sua capa e pede um basta na violência
Foto: Reprodução
Choque

A morte de Francisco Javier Romero Taboada causou grande comoção na Espanha. Os jornais Marca, As e El Pais deram grande destaque ao caso. “A derrota do futebol”, estampa em sua capa o As, que mostra cenas da briga captadas por imagens de segurança e traz a foto do torcedor de 43 anos dizendo na legenda que ele deixa dois filhos, um de quatro e outro de 19 anos.

O Marca pede um basta e diz que não existem mais desculpas para banir os torcedores violentos dos estádios espanhóis. Segundo contagem da Polícia, 24 pessoas foram detidas e dois torcedores ficaram feridos.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade