1 evento ao vivo

Prandelli reclama do calor e reconhece que Japão jogou melhor

19 jun 2013
22h07
atualizado em 20/6/2013 às 15h00
  • separator
  • 0
  • comentários

O técnico italiano Cesare Prandelli afirmou nesta quarta-feira que a Itália teve que se esforçar muito para vencer o Japão por 4 a 3, e atribuiu as dificuldades às elevadas temperaturas da cidade do Recife.

Copa das Confederações de 2013Rodada 2

ItáliaitaItália4
3JapãoJapãojpn

  • De Rossi 40 ' (1T)
  • Uchidaown-goal 4 ' (2T)
  • Mario Balotelli 6 ' (2T)
  • Sebastian Giovinco 39 ' (2T)
  • Honda 20 ' (1T)
  • Shinji Kagawa 31 ' (1T)
  • Okazaki 22 ' (2T)
2013-06-19 22:00 GMT-000 (D) FinalizadoArena Pernambuco

Confira todos os vídeos da Copa das Confederações

<p>Prandelli disse que Itália ficou "sem combustível" durante o jogo</p>
Prandelli disse que Itália ficou "sem combustível" durante o jogo
Foto: Marcelo Pereira / Terra

"A Itália sofreu muito. Tivemos um bom resultado, mas com muito custo, e temos que ficar felizes com isso", afirmou o técnico italiano na entrevista coletiva após a partida. "Tivemos muita sorte. O Japão realmente jogou muito melhor", acrescentou.

Segundo Prandelli, a Itália teve dificuldades para conter o Japão no primeiro tempo porque entrou em campo anestesiado pelo calor. "O clima é algo que realmente temos que aprender a superar aqui. É muito quente e há muita umidade. Tivemos que nos esforçar muito. No final do primeiro tempo não tínhamos mais combustível", comentou.

O técnico não quis responder se a ausência de De Rossi, que terá que cumprir suspensão após ter recebido o segundo cartão amarelo na Copa das Confederações, poderá dificultar a atuação da Itália no próximo sábado diante do Brasil.

As duas seleções já garantiram sua classificação às semifinais, mas a partida será decisiva para determinará quem provavelmente terá que enfrentar a Espanha na próxima fase.

"Ainda não sei que tipo de jogo teremos contra o Brasil. Aqui faz muito calor e a primeira coisa que temos que fazer é nos recuperar", concluiu o técnico.

EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade