PUBLICIDADE

Artilheiro da Copa de 98, Suker forma jogadores em Zagreb

25 out 2012 07h11
| atualizado às 09h53
Publicidade

Ele jogou pouco tempo ao lado de Maradona no Sevilla. Mas o período foi mais do que suficiente para Davor Suker crescer no futebol e liderar a Croácia, um país recém-criado, até as semifinais da Copa do Mundo de 1998. Para completar, o craque ainda terminou a principal competição do planeta como artilheiro.

Suker ajudou a Croácia a chegar a um impressionante terceiro lugar no mundial, eliminando a Alemanha
Suker ajudou a Croácia a chegar a um impressionante terceiro lugar no mundial, eliminando a Alemanha
Foto: Getty Images



O atacante iniciou sua carreira no Osijek, que leva o nome de sua cidade natal, em 1984. Três anos depois, foi um dois principais nomes da Iugoslávia na conquista do Mundial sub-20, terminando a competição como vice-artilheiro.



Dois anos depois, chamou a atenção Dínamo de Zagreb ao terminar o campeonato nacional na artilharia, mas sua trajetória no clube da capital seria interrompida em 1991, por conta da guerra que desencadearia a independência da Croácia.



O conflito levou o craque a acertar sua ida para o futebol espanhol. No Sevilla, jogou ao lado de Maradona e disputou a artilharia do campeonato local com Romário. O bom futebol apresentado pelo croata na Eurocopa de 1996 despertou o interesse do Real Madrid. O time da capital acertou sua vinda em troca de Petkovic, que se tornaria ídolo no Brasil.



O faro de artilheiro do croata ajudou a equipe merengue a conquistar o Campeonato Espanhol de 1997 e a Liga dos Campeões da temporada seguinte. Apesar disso, o craque ainda era ligeiramente desconhecido dos torcedores quando a Copa do Mundo da França começou. Nas duas primeiras partidas, porém, ele deixou sua marca, e ajudou o país estreante a conquistar vaga nas oitavas de final. Suker novamente brilhou no duelo contra a Romênia e carimbou o passaporte para a Croácia enfrentar a poderosa Alemanha na fase seguinte.



O time de camisa quadriculada conseguiu uma contundente vitória por 3 a 0, e na semifinal, Suker ainda abriu o placar, mas a França acabou virando o jogo e ficando com a vaga na decisão. Ainda assim, o matador foi às redes mais uma vez na disputa pelo terceiro lugar, garantiu a artilharia e foi considerado o segundo melhor jogador do torneio, atrás apenas de Ronaldo.



Mesmo com a brilhante participação no mundial, o croata perdeu espaço no Real Madrid e foi negociado com o Arsenal em 1999. Porém, as coisas não melhoraram em Londres. Além de receber poucas oportunidades no time, investiu em ações do rival Manchester United na Bolsa de Valores e complicou ainda mais sua situação. A gota d'água foi quando perdeu a cobrança derradeira da final da Copa da Uefa de 2000 e viu o time amargar o segundo lugar.



Veterano, Suker ainda passou por West Ham, Munique 1860 e teve uma atuação apagada na Copa de 2002, participando apenas da partida de estreia da equipe. Assim, ele deixou o futebol no ano seguinte. Hoje, o atacante administra uma rede de escolinhas de futebol em Zagreb e cidades próximas.



Quer saber mais sobre a Copa Coca-Cola?

Então, clique aqui

e confira

Fonte: PrimaPagina
Publicidade