PUBLICIDADE
Logo do

Seleção Brasileira

Favoritar Time

Torcida brasileira xinga Maradona e vaia hino chileno

Mais de 69 mil pessoas viram a goleada do Brasil (4 a 0) no Chile

25 mar 2022 08h30
ver comentários
Publicidade
Seleção Brasileira fez seu último jogo no Brasil antes da Copa
Seleção Brasileira fez seu último jogo no Brasil antes da Copa
Foto: Lucas Figueiredo/CBF

O público de pele bronzeada que esteve no Maracanã na noite dessa quinta (24) para ver a goleada do Brasil sobre o Chile por 4 a 0 pelas eliminatórias do Mundial do Catar expôs mais uma vez a discussão que diz respeito a limites e excessos de torcedores. Por várias vezes, por exemplo, entoou cânticos direcionados a Maradona, que morreu em novembro de 2020, rotulando-o como “cheirador”, em alusão à relação do ex-jogador argentino com as drogas.

A provocação está no dna da rivalidade no futebol. Maradona é até hoje a maior representação do futebol argentino. Seu contraponto no Brasil é Pelé. Enaltecer o feito do lendário camisa 10 da seleção nacional, que ultrapassou a marca dos 1 mil gols na carreira, enriquece o repertório de qualquer arquibancada mundo afora. Usar a façanha para atacar um oponente vítima do vício em cocaína sugere perversidade.

Pois, o coro em questão ressoava assim, “mil gols, mil gols, mil gols, mil gols, mil gols, só Pelé, só Pelé, Maradona cheirador”.

A torcida lotou os trens do metrô que seguiam para os bairros da zona sul da cidade após o jogo. No sentido contrário, o fluxo era quase normal. Muitos ali circulavam em grupos, com a camisa da Seleção brasileira enrolada no pescoço e até mesmo a caminho de casa mantiveram a sanha de ofender chilenos com quem dividiam espaço na plataforma da estação Maracanã à espera do transporte. Eram xingamentos gratuitos que acuavam adultos e crianças que vestiam com orgulho nítido a camisa vermelha de seu país.

Bem antes disso, quando as duas equipes se perfilavam no gramado do estádio para a execução dos hinos, já dava para adivinhar a reação dessa plateia (uma boa parcela foi convidada pelos patrocinadores da CBF) que enfim reencontrava a Seleção no Maracanã.

No momento em que chilenos estufavam o peito para louvar sua canção-pátria, uma vaia daquelas que se podem ouvir até longe do estádio era dirigida aos vizinhos sul-americanos. No decorrer da partida, esse cartão de boas-vindas não mudou. A cada manifestação dos chilenos a favor da seleção deles, a resposta vinha em milhares de vozes que impunham o silêncio ao adversário com ofensas rasas.

Papo de Arena Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. 
Publicidade
Publicidade