PUBLICIDADE

F1 2024: A caçada aos touros vermelhos vai começar

Se tem alguém a ser perseguido na F1 2024 é a Red Bull. Todos querem caçar os touros, mas eles tentam ser mais espertos...

29 fev 2024 - 11h59
Compartilhar
Exibir comentários
Esta é a visão que o resto do grid teve da Red Bull em 2023 e ela espera que siga assim...
Esta é a visão que o resto do grid teve da Red Bull em 2023 e ela espera que siga assim...
Foto: Clive Mason/Getty/Red Bull Content Pool

A F1 2024 voltou. Após um período relativamente curto de tempo e uma pré-temporada menor ainda, a principal categoria de automobilismo do mundo dá o pontapé inicial para seus trabalhos. Em princípio, teremos o calendário mais longo da história, com 24 provas (retorno da China). Sem esquecer das 6 Sprint Race (São Paulo no meio).

Para 2024, a F1 não vem com alterações profundas em seus regulamentos. Como se discute uma mudança radical para os carros e motores para 2026, optou-se por fazer alguns esclarecimentos e manter o principal, incluindo os pneus. Estes teriam o pré-aquecimento este ano, mas foi mantido a pedido das equipes.

Mesmo sem grandes alterações, os times procuraram se movimentar. E vimos cada vez mais carros trazendo inspirações no que deu certo nas últimas temporadas; a Red Bull.

Os taurinos, com o departamento técnico comandado por Adrian Newey e Pierre Wache, foram quem encontram o melhor caminho para o regulamento técnico introduzido em 2022. Poderiam ter seguido o caminho tranquilo, mas decidiram dar um passo a frente com o RB20. Como bem apóntou Newey, era preciso fazer algo diferente para se manter na liderança.

Os mais próximos perseguidores são Ferrari e Mercedes: ambas mudaram muito suas filosofias em relação a anos anteriores, mas trazendo para o padrão Red Bull. Os italianos trabalharam bastante especialmente no tratamento dos pneus, que é um problema um tanto quanto recorrente. Nos testes de pré-temporada, aparentemente houve uma evolução neste ponto, mas não está claro se é o suficiente.

Já a Mercedes completou o abandono da filosofia “zeropod” iniciada em Monaco ano passado e o W15 vai para uma abordagem mais pragmática comandada por James Allison. Russell e Hamilton elogiaram o carro, dizendo que “tinha uma base sólida para desenvolvimento”. Mas cabe ver se isso se concretizará e como será a relação Hamilton e Mercedes após o anúncio bombástico da saída do britânico para a Ferrari.

McLaren e Aston Martin acabam sendo dúvidas. A primeira, que terminou muito bem 2023, ficando somente atrás da Red Bull, partiu para uma evolução no seu MC38. Mas os testes iniciais não foram tão empolgantes, embora o time tenha dito que o Bahrein não é uma pista tão interessante para o carro e que novas peças estão para chegar em breve. Será interessante ver a dinâmica entre Norris e Piastri...

A Aston Martin tenta se consolidar no grupo da frente. Após ter problemas para desenvolver o AMR23 ao longo da temporada, a equipe quer mostrar que pode ser levada a sério sim. Até mesmo para garantir a permanência de Alonso na equipe. O espanhol ainda mostra animo com o projeto, mas sabe que tem gente de olho nele, especialmente a Mercedes. Stroll é a famosa situação das costas quentes...

O fato é que teremos disputas interessantes no pelotão. Em parte, o regulamento trazido em 2022 cumpriu o seu papel e o grid nunca estiveram tão próximo. Vem sendo cada vez normal vermos mais de 10 carros dentro do mesmo segundo. Porém, como temos uma dupla incrível formada por Red Bull e Max Verstappen que domina toda a cena...

O público quer disputa e emoção. A ver como será a caçada aos touros vermelhos.

Parabólica
Compartilhar
Publicidade
Publicidade