PUBLICIDADE

Blitz da Red Bull a funcionários da Mercedes abre temporada de caça a Verstappen

Batida de carteira da Red Bull para levar quinteto de funcionários da Mercedes garante que briga futura por Max Verstappen será sangrenta

7 mai 2021 04h02
ver comentários
Publicidade
Max Verstappen quer se tornar campeão pela Red Bull, mas se não der...
Max Verstappen quer se tornar campeão pela Red Bull, mas se não der...
Foto: Miguel Molina/AFP / Grande Prêmio

A temporada de caça ao passe de Max Verstappen está oficialmente aberta a partir da última quinta-feira, 6 de maio de 2021. Foi ontem que a Red Bull colocou álcool na fogueira que já estava acesa desde o anúncio da contratação do ex-engenheiro-chefe dos alemães, Ben Hodgkinson, para ser seu diretor-técnico. Ao confirmar uma baciada de batidas de carteira contra a rival, aposta com risco alto e a mira em suas costas.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! .

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Aqui, não se discute questões morais que envolvam contratar empregados das empresas rivais e nem como é feito. Embora a Red Bull não tenha entrado muitos detalhes, sabe-se que ofereceu, segundo Toto Wolff, o diretor-executivo da Mercedes, um futuro encantado. Quem acreditou, acreditou.

Foi com isso que a Red Bull tomou Steve Blewett, que passa a ser diretor de produção da unidade de força. Omid Mostaghimi será o chefe do setor eletrônico do trem de força e do sistema de recuperação de energia; Pip Clode vai atuar como chefe de projeto mecânico do sistema de recuperação de energia, enquanto Steve Brodie vai ser o líder do grupo de operações do motor de combustão interna.

As movimentações da Red Bull são compreensíveis. Ao assumir o fardo de produzir motores próprios a partir do ano que vem, após a saída da Honda do Mundial, a Red Bull tinha a ideia central - comprada da propriedade intelectual dos por enquanto parceiros japoneses -, mas faltava ter gente e instalações para produzir, de fato, os motores. Espaço e recursos tem, assim como capacidade financeira e intelectual, faltavam cérebros pensantes para o desenvolvimento e planejamento. De onde melhor buscar que dos fabricantes do melhor motor do Mundial?

A rivalidade entre Red Bull e Mercedes tem ido muito além das pistas
A rivalidade entre Red Bull e Mercedes tem ido muito além das pistas
Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool / Grande Prêmio

Então, ao menos em teoria, negócios são negócios. Há um subtítulo nesta gatunagem em massa: a provocação de Helmut Marko. É o que adiciona o insulto ao machucado que a demonstração de poder da Red Bull e torna tudo ainda mais amargo. Foi Marko, braço-direito de Dietrich Mateschitz, o homem que paga os salários na organização dos energéticos, quem se colocou à frente de tudo ao afirmar que nada disso aconteceria se Niki Lauda estivesse vivo.

Além da completa falta de filtro de trazer à baila alguém já morto e muito querido, ainda é uma provocação evidente a Wolff. Para bom entendedor, meia palavra basta: Wolff não é capaz de exercer o controle sobre seus funcionários que Lauda era capaz de fazer. Alfinetada vadia.

E aí vem o paralelo com o futuro do mercado de pilotos. Não é novidade que Lewis Hamilton, aos 36 anos de idade, está nos últimos anos da carreira. Que seja ao fim de 2021 - improvável - ou ao fim de 2023, o que se sabe é que Max Verstappen é o herdeiro do trono maior. Até que se prove o contrário, mesmo com o desfalque de pessoal, a Mercedes é a equipe mais qualificada que a Fórmula 1 já viu. Faz todo sentido pensar que a Mercedes vai buscar Verstappen no futuro caso o panorama siga assim.

A Mercedes tentou contratar Verstappen ainda em 2014, quando Max estava na F3 Euro, mas a Red Bull tinha vagas na F1 a oferecer para o ano seguinte e levou a melhor. Wolff e os Verstappen, Max e Jos, sempre mantiveram boa relação. Mais que isso, Verstappen tem contrato até 2023 com a Red Bull. Se Hamilton decidir ficar por mais dois anos além deste atual, o que parece ao menos uma boa possibilidade, deixaria o cenário aos 39 anos e abriria caminho para Verstappen ser pareado com quem quer que seja o outro piloto até lá, provavelmente George Russell ou Esteban Ocon.

Há ainda um porém. Verstappen tem uma cláusula de desempenho em seu contrato e pode rescindir o acordo com a Red Bull ao fim das temporadas 2021 e 2022 caso a equipe apresente um carro em média 0s3 mais lento que o da rival. Atualmente, parece impensável que seja assim, mas é algo que deixa a Red Bull patinando em gelo fino. Um único deslize pode render a saída de graça do holandês para a maior rival.

Não se enganem com os jogos de cena, negativas e promessas: um dia a Mercedes atacará pesado o passe de Verstappen. Se não for agora ou nos dois próximos anos, será logo depois. Vai acontecer. E a blitz espalhafatosa dos austríacos garante que o futuro de Verstappen será arena de uma briga com direito a carnificina entre Red Bull e Mercedes. A questão é somente quando acontecerá, mas o destino está desenhado.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade