PUBLICIDADE

Ouro fecha em alta, puxado por queda do dólar e nos rendimentos dos Treasuries

24 mai 2022 15h34
ver comentários
Publicidade

O contrato mais líquido do ouro fechou em alta nesta terça-feira, 24, em uma sessão na qual os rendimentos dos Treasuries recuam, em um cenário de aversão a risco em grande parte impulsionado por preocupações econômicas nos Estados Unidos, incluindo o ambiente empresarial. Além disso, o dólar, moeda na qual o metal é cotado, recua, impulsionando os preços. As perspectivas para alta de juros em outros bancos centrais para além do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) seguem pressionando o ativo americano.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro com entrega prevista para junho encerrou a sessão em alta de 0,95%, a US$ 1.865,4 a onça-troy.

"Os preços do ouro estão subindo à medida que os rendimentos do Treasuries caem após uma onda de aversão ao risco que resultou de lucros decepcionantes e deterioração dos dados econômicos dos EUA", aponta o Commerzbank.

O ouro sem juros é um porto seguro novamente e pode estar à beira de uma grande quebra se os preços puderem recapturar o nível de US$ 1885 a onça-troy, avalia o banco alemão.

"Um pico nos rendimentos do Treasuries está em vigor e agora o dólar parece estar pronto para uma retração, já que o Banco Central Europeu (BCE) está pronto para aumentar as taxas, o que é uma boa notícia para o euro", analisa. O ouro deve permanecer apoiado à medida que as pressões inflacionárias pesam ainda mais, a situação da covid-19 na China permanece uma grande incógnita e as empresas americanas continuam reduzindo as perspectivas, projeta o Commerzbank.

Em levantamento, a S&P Global prevê que a oferta global de mineração de ouro aumente aproximadamente 4,6% ano a ano em 2022. Sua perspectiva de preço do ouro para o curto prazo é flutuar em torno de US$ 1.900 a onça-troy devido às incertezas geopolíticas e macroeconômicas atuais. À medida que as taxas de juros sobem, esperamos que os preços fiquem em média em torno de US$ 1.825 até o final de 2022 antes de encerrar os próximos cinco anos mais próximo de US$ 1.700, conclui.

Estadão
Publicidade
Publicidade