1 evento ao vivo

Mercados chineses caem à medida que foco se volta para o comércio entre China e EUA

26 jul 2018
11h34
  • separator
  • comentários

Os mercados emergentes alcançaram uma máxima de um mês nesta quinta-feira depois de um aparente alívio nas tensões comerciais entre os Estados Unidos e a Europa, embora os mercados chineses tenham caído com temores de que a política comercial norte-americana seria concentrada na potência asiática.

Investido em corretora em Pequim 6/7/ 2018 REUTERS/Jason Lee
Investido em corretora em Pequim 6/7/ 2018 REUTERS/Jason Lee
Foto: Reuters

Os índices da China continental <.CSI300> <.SSEC> sofreram sua maior queda diária em duas semanas e recuaram 1,15 e 0,71 por cento, respectivamente, enquanto o índice de Hong Kong <.HSI> caiu 0,61 por cento.

Com o acordo entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, as preocupações sobre as tensões entre as duas potências diminuíram, enquanto as disputas entre os EUA e China aumentaram ainda mais. [nL1N1UL2EN]

Às 9h55 (horário de Brasília), o iuan enfraquecia 0,3 por cento em relação ao dólar, mesmo depois que o banco central do país elevou seu ponto médio oficial para seu maior nível em três semanas. Analistas disseram que o iuan deve enfrentar pressão depreciação no médio prazo.

Em outras regiões, a lira turca retomava seu ritmo de queda.

A moeda recuava 1,2 por cento em relação ao dólar e quase 1 por cento em relação ao euro, desfazendo alguns dos ganhos do dia anterior, quando a moeda se recuperou de uma queda de 3 por cento ante o dólar, depois que o banco central manteve a taxa de juros inalterada na terça-feira.

O rand da África do Sul caia 0,6 por cento e o rublo russo recuava 0,3 por cento, com o índice do dólar <.DXY> recuperando parte de sua queda no início do ano, que o levou a uma mínima de duas semanas.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • comentários
publicidade