0

Equatorial assume a distribuidora alagoana Ceal com foco em melhoria da qualidade

18 mar 2019
16h52
  • separator
  • comentários

A Equatorial Energia assume nesta segunda-feira, 18, a distribuidora de energia de Alagoas, a Companhia Energética de Alagoas (Ceal), que até agora era operada pela Eletrobras e foi leiloada no fim de dezembro. A companhia assume as operações da concessionária com o desafio de melhorar os indicadores operacionais da empresa, muito acima dos limites estabelecido Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Conforme estabelecido em edital, a Equatorial fará um aporte de capital da ordem de R$ 550 milhões, recursos que devem permitir a recuperação da saúde financeira e a melhoria da qualidade dos serviços.

O presidente da Equatorial Energia, Augusto Miranda, destacou que uma das prioridades do grupo será a redução das perdas de energia.

"Os furtos e as perdas não-técnicas trouxeram grandes prejuízos para a antiga Ceal, por essa razão nossos esforços se concentrarão em combater a inadimplência e o famoso 'gato'. Um crime que prejudica a todos. Para que haja investimentos na melhoria dos serviços afetados é preciso também combater essa prática, além de investimentos em tecnologia", disse o executivo em nota.

Para Miranda, há espaço para melhoria de todos os índices de atendimento e de distribuição. A Ceal, rebatizada agora de Equatorial Energia Alagoas, está abaixo dos padrões de qualidade estabelecidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) desde 2010.

Em 2017, os indicadores operacionais ficaram acima dos limites fixados pela agência reguladora em mais de 50%: a duração da frequência das interrupções, conhecida como DEC, foi de 20,75 horas, ante o limite autorizado de 13,73 horas, enquanto a frequência de interrupções, conhecida como FEC, alcançou 15,7 vezes, acima do limite de 10,38 vezes.

"A experiência do Grupo Equatorial será fundamental para reverter esta situação da Equatorial Energia Alagoas e torná-la uma empresa rentável, saudável e equilibrada", afirmou Miranda.

Ele aposta na expertise que o grupo acumulou ao longo dos anos nas operações da Cemar, no Maranhão, e a Celpa, no Pará, que também foram adquiridas com alto índice de ineficiência e apresentaram significativa melhora nos padrões de qualidade do fornecimento.

Com o início da operação em Alagoas, a Equatorial passa a atender cerca de 7,5 milhões de clientes em todo o Brasil, nos estados do Maranhão (Cemar), Pará (Celpa) e Cepisa (Piauí), esta também adquirida em leilão de privatização de distribuidoras da Eletrobras.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade