0

Produto com defeito deve ser trocado; veja seus direitos

Após o registro da reclamação, o fornecedor tem 30 dias para consertar ou trocar o produto com defeito

23 jan 2015
09h00
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Se você comprou um produto e ele estragou, fique atento aos seus direitos. O advogado Gustavo Souza, especialista em direto do consumidor, explica que, em caso de produtos não-duráveis (alimentos, bebidas etc), o consumidor tem até 30 dias para reclamar junto ao fornecedor. No caso dos duráveis (como móveis, roupas e eletroeletrônicos), o prazo é esticado para 90 dias.

A consumidora Aline Mendes comprou um roteador numa loja de informática e, quando ligou na tomada, o produto não funcionou. "Liguei imediatamente para o vendedor e ele, prontamente, disse para eu me dirigir até a loja para efetuar a troca. No mesmo dia, já estava com o roteador funcionando", declara satisfeita. Mas nem sempre a troca é feita com tanta facilidade.

Defesa do Consumidor prevê a substituição do item e em perfeitas condições ou a devolução do dinheiro
Defesa do Consumidor prevê a substituição do item e em perfeitas condições ou a devolução do dinheiro
Foto: Jan Jansen/Dollar Photo Club

Após o registro da reclamação, o fornecedor tem 30 dias para consertar ou trocar o produto com defeito. Caso o prazo não seja respeitado, o Código de Defesa do Consumidor prevê a obrigatoriedade de substituição do item e em perfeitas condições de uso. Mas o consumidor também pode optar pela restituição da quantia paga ou o abatimento proporcional no preço pago, na aquisição de outro produto ou serviço. 

O advogado observa que ainda existem aqueles defeitos que não são percebidos logo após a compra. Aparecem após um determinado tempo ou consumo do produto. Nestes casos, inicia-se a contagem dos prazos mencionados, a partir da constatação do defeito, para o registro da reclamação. 

"Mas em algumas situações, será preciso um laudo técnico detalhando os indícios de que o problema teve origem em um vício (defeito) de fabricação", explica Souza.

Garantias legais e contratuais
Quando o consumidor ouvir falar em garantia legal, explica o advogado, se refere ao período estabelecido no Código de Defesa do Consumidor (30 e 90 dias) e são de cumprimento obrigatório pelo fornecedor/vendedor. Mas também existe a chamada garantia contratual (aquela estendida além do período de garantia previsto na lei), que pode ser oferecida no momento da compra, mas que não pode ser imposta ao consumidor.

Veja também:

Arrizo 6, o sedã chinês que conquista pelo conforto
Fonte: Padrinho Agência de Conteúdo
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade