PUBLICIDADE

Boeing adia planos de aumentar produção, dizem fontes

1 mar 2024 - 19h58
Compartilhar
Exibir comentários

A Boeing adiou os planos para sua cadeia de suprimentos acelerar a produção de seu jato mais vendido, o 737, de acordo com uma apresentação vista pela Reuters, à medida que a empresa lida com restrições regulatórias em sua produção e aumento do escrutínio após um incidente em pleno voo em um MAX 9 ocorrido em 5 de janeiro.

A Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) proibiu a Boeing de aumentar a produção do 737 MAX após o incidente de janeiro, o que pode ser um revés no futuro, já que a fabricante de aviões norte-americana luta para aumentar os níveis de produção para competir com a rival europeia Airbus.

A Boeing não estava imediatamente disponível para comentar.

De acordo com o mais recente cronograma mestre da Boeing para seus fornecedores do 737, visto pela Reuters, a cadeia de suprimentos foi instruída anteriormente a aumentar as taxas de produção de o equivalente a 38 aeronaves por mês para 42 em fevereiro deste ano, o que agora está adiado para junho.

A Boeing vai adiar para janeiro de 2025 uma aceleração à taxa de 47 jatos por mês, prevista antes para agosto de 2024.

A mudança para 52 jatos 737s por mês programados para fevereiro de 2025 agora está prevista para ocorrer em junho de 2025, uma linha do tempo que permitiria à Boeing manter-se no caminho certo para atingir sua meta de produzir 50 jatos por mês em 2025-2026.

Os líderes da Boeing haviam indicado que a cadeia de abastecimento continuaria a aumentar de acordo com os planos anteriores divulgados em dezembro, mas reconheceram que poderia haver mudanças futuras devido a uma auditoria em curso da FAA no sistema de produção da Boeing.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade