1 evento ao vivo
Logo do Blog Sala de TV
Foto: iStock

Blog Sala de TV

Em novela, uma forma de liberdade é virar quenga no bordel

As prostitutas são mais felizes do que as ‘honestas’ em ‘O Outro Lado do Paraíso’

16 mar 2018
14h41
atualizado às 14h44
  • separator
  • comentários

Novela é novela, ou seja, ficção, liberdade poética, construção dramatúrgica. Tudo se torna possível, até o mais improvável.

Melissa, Cleo e Leandra: a prostituição como recurso para ser dona do próprio nariz
Melissa, Cleo e Leandra: a prostituição como recurso para ser dona do próprio nariz
Foto: Raquel Cunha/TV Globo / Divulgação

Uma dessas improbabilidades é uma jovem de classe média se tornar prostituta apenas para se vingar do marido que sempre se recusou a fazer sexo com ela. Trata-se da trama de Melissa (Gabriella Mustafá) em ‘O Outro Lado do Paraíso’. Desiludida, a jovem procura o bordel de Pedra Santa. Quer se tornar quenga. Sua esperança é ser procurada por Diego (Arthur Aguiar), o ex-marido problemático que não quis tirar sua virgindade na noite de núpcias e propôs uma união casta. Melissa sabe que o geólogo só transa com garotas de programa – por isso decidiu se tornar uma delas.

Na casa de tolerância frequentada pelos garimpeiros vive outra garota que escolheu ir para o prostíbulo por vontade própria: Cleonice (Giovanna Cordeiro), a neta da clariouvinte Mercedes (Fernanda Montenegro). Ambiciosa, a moça foi atrás de dinheiro e liberdade. Cansou-se da vida simples na casa da avó, que a controlava com pulso firme.

No bordel colorido da novela das 21h da Globo, as prostitutas demonstram ser mais felizes do que as senhoras de respeito da sociedade de Palmas. Lá, exercem poder sobre os homens e o controle da própria vida. Uma representação vista em outros folhetins, como na Casa da Luz Vermelha de ‘Tieta’ (1989/1990), do estabelecimento comandado por Rosa Palmeirão (Luiza Tomé) em ‘Porto dos Milagres’ (2001) e da mansão de Zenilda (Renata Sorrah) em ‘A Indomada’ (1997).

Apesar da rotina divertida, muitas das ‘meninas’ de Pedra Santa alimentam o sonho do casamento de princesa, para ter uma vida tradicional com marido, filhos, cachorros etc. Exemplo desse perfil é Leandra (Mayana Neiva), sócia do bordel. Ela escondeu sua verdadeira profissão da família e do noivo. Planejava ‘largar a vida’ para se tornar esposa e mãe. Acabou desmascarada.

Assim, entre o drama e a comédia, a prostituição tem espaço relevante em ‘O Outro Lado do Paraíso’. Na teledramaturgia, as quengas nunca saem de moda.

Veja também

 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • comentários
publicidade