PUBLICIDADE

O Globo de Ouro que ninguém assistiu ainda continua uma grande bagunça; veja os vencedores

Premiados foram anunciados por postagens em redes sociais marcadas por piadas sem graça

10 jan 2022 08h25
ver comentários
Publicidade

Depois de muita deliberação sobre como transmitir pela TV ou streaming a cerimônia de entrega do Globo de Ouro deste ano, a Hollywood Foreign Press Association selecionou a escolha mais óbvia: não fazer isso de forma alguma.

A festa Os Globos, antes uma oportunidade de testemunhar as celebridades se soltando e zombando umas das outras, foi reduzida a uma série de postagens nas redes sociais.

Ao contrário dos shows afetados pela variante do coronavírus Ômicron, no entanto, o Globo de Ouro de domingo nunca mais vai se parecer como era antes. A maior parte de Hollywood evitou a Associação de Jornalistas Estrangeiros de Hollywood depois que o Los Angeles Times revelou, em fevereiro do ano passado, as práticas questionáveis da organização de 87 membros - que, aliás, não contava com membros negros.

A HFPA e suas duvidosas credenciais de imprensa nunca foram consideradas tão prestigiosas quanto a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, que compreende mais de 8 mil eleitores em 17 ramos, mas a transmissão em si sempre foi amplamente assistida - e considerada uma valiosa oportunidade de publicidade para estúdios e celebridades.

Mas figuras importantes da indústria, de publicitários poderosos a chefes de estúdio, consideraram a reportagem do Times a gota d'água. Enfrentando a pressão, a NBC anunciou em maio que não iria transmitir o Globo de 2022, afirmando que "uma mudança dessa magnitude leva tempo e trabalho, e sentimos fortemente que o HFPA precisa de tempo para fazê-lo direito."

O que o HFPA deveria fazer? Depois de se comprometer a fazer uma "mudança transformacional", o grupo contratou seu primeiro "diretor de diversidade" e adotou novas regras que impediam os membros de aceitar presentes ou favores do estúdio.

Também elegeu uma presidente, a jornalista alemã Helen Hoehne, e acrescentou 21 membros - 29% dos quais se identificam como negros. Houve, de fato, uma cerimônia do Globo de Ouro realizada no hotel Beverly Hilton no domingo à noite, mas contou com a presença de membros selecionados do HFPA e beneficiários de bolsas. (Um representante da HFPA disse ao The Washington Post que seu foco principal neste ano foi a filantropia.)

A Variety relatou recentemente que um agente de talentos do Globo tentou entrar em contato com várias agências de publicidade para determinar se seus clientes estariam dispostos a participar, mas ninguém parecia interessado.

As postagens anunciando os vencedores da noite eram tão estranhas quanto a jornada até o 79º Globo, às vezes omitindo os títulos dos projetos em favor de piadas cafonas: "É preciso 43 músculos para sorrir. Obrigado pelo trabalho, Andrew Garfield", tuitou o relato sobre a estrela de Tick, Tick ... Boom!, que ganhou o prêmio de melhor ator em um filme de comédia ou musical.

"Se rir é o melhor remédio, [West Side Story] é a cura para o que o aflige", escreveu alguém que parece não ter visto nenhuma das versões do clássico musical. (Posteriormente, eles excluíram o tweet e, em sua substituição, atualizaram a palavra "riso" por "música". Boa chamada.)

Em vários momentos da noite, o blog ao vivo da HFPA também citou a atriz Jamie Lee Curtis falando sobre os esforços filantrópicos do grupo, sem contexto. O grupo então tuitou um vídeo filmado por ela para eles - depois de excluir rapidamente uma postagem em que usaram o identificador errado para a estrela.

Sem mais delongas, aqui estão os vencedores dos Globos que ninguém pôde assistir.

CINEMA

Melhor filme (drama): Ataque dos Cães, de Jane Campion

Melhor filme (comédia ou musical): Amor, Sublime Amor, de Steven Spielberg

Melhor animação: Encanto

Melhor roteiro: Belfast

Melhor diretor: Jane Campion, por Ataque dos Cães

Melhor trilha sonora: Duna

Melhor canção original: No Time to Die, de 007 - Sem Tempo para Morrer

Melhor ator (drama): Will Smith, por King Richard: Criando Campeãs

Melhor atriz (drama): Nicole Kidman, por Being the Ricardos

Melhor ator (musical ou comédia): Andrew Garfield, por Tick, Tick… Boom!

Melhor atriz (musical ou comédia): Rachel Zegler, por Amor, Sublime Amor

Melhor ator coadjuvante: Kodi Smit-McPhee, por Ataque dos Cães

Melhor atriz coadjuvante: Ariana DeBose, por Amor, Sublime Amor

Melhor filme em língua estrangeira: Drive My Car, de Ryusuke Hamaguchi (Japão)

TELEVISÃO

Melhor série de drama: Succession

Melhor série de comédia: Hacks

Melhor minissérie ou filme para TV: The Underground Railroad

Melhor ator (drama): Jeremy Strong, por Succession

Melhor atriz (drama): Mj Rodriguez, por Pose

Melhor ator (comédia): Jason Sudeikis, por Ted Lasso

Melhor atriz (comédia): Jean Smart, por Hacks

Melhor ator (minissérie ou filme para a TV): Michael Keaton, por Dopesick

Melhor atriz (minissérie ou filme para a TV): Kate Winslet, por Mare of Easttown

Melhor ator coadjuvante: Oh Yeong-su, por Round 6

Melhor atriz coadjuvante: Sarah Snook, por Succession

Estadão
Publicidade
Publicidade