PUBLICIDADE

5 anos sem João Gilberto. Conheça as 10 músicas mais ouvidas do cantor

6 jul 2024 - 13h39
Compartilhar
Exibir comentários
Há cinco anos, o Brasil perdia João Gilberto. Apontado como o Pai da Bossa Nova, o artista deixou um legado com 16 obras musicais
Há cinco anos, o Brasil perdia João Gilberto. Apontado como o Pai da Bossa Nova, o artista deixou um legado com 16 obras musicais
Foto: The Music Journal

Há cinco anos, o Brasil perdia João Gilberto. Apontado como o Pai da Bossa Nova, o artista deixou um legado com 16 obras musicais e 648 gravações cadastradas no banco de dados da gestão coletiva da música no Brasil. A partir dos seus dados musicais, o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) fez um levantamento para lembrar sua trajetória.

O estudo do Ecad indicou que Wave foi a música gravada e interpretada por João Gilberto mais tocada nos últimos cinco anos no Brasil nos principais segmentos de execução pública. A canção é de autoria de Tom Jobim e ficou na liderança do ranking, seguida por Chega de Saudade, composição de Tom Jobim e Vinicius de Moraes e Desafinado, de Newton Mendonça e Tom Jobim, que completaram o TOP 3.

Foto: Divulgação / The Music Journal

João Gilberto Prado Pereira de Oliveira nasceu na Bahia, no dia 10 de junho de 1931, e faleceu no Rio de Janeiro, no dia 6 de julho de 2019. Em 1965, o álbum Getz/Gilberto foi o primeiro disco de jazz a ganhar o Grammy de Álbum do Ano. Também ganhou nas categorias Melhor Álbum Instrumental de Jazz - Individual ou Grupo e Melhor Álbum de Engenharia Não-Clássico.

O artista foi Indicado ao Grammy de 1978 na categoria Melhor Performance Vocal de Jazz, pelo álbum Amoroso e foi vencedor na categoria Melhor Álbum de World Music na mesma premiação em 2001 com João Voz e Violão, lançado pela Verve Records em 2000.

A Lei dos Direitos Autorais (9.610/98) determina que os seus herdeiros continuarão a receber os rendimentos em direitos autorais por suas músicas por 70 anos após sua morte (ou de autores parceiros, no caso de músicas feitas em parcerias). Para que o Ecad continue a repassar os valores em direitos autorais a compositores e artistas, que fazem parte da gestão coletiva no país, é imprescindível que o pagamento referente ao licenciamento musical seja feito por pessoas e empresas que utilizam música em seus negócios e nos diversos canais e espaços públicos.

Herdeiros de João Gilberto podem receber valor milionário de gravadoras

De acordo com informações do colunista Ancelmo Gois de março de 2024, os herdeiros do lendário e saudoso João Gilberto, fundador da Bossa Nova, podem receber mais de R$ 175 milhões referentes à restituição de valores sobre as obras do artista.

Esse montante milionário corresponde a um processo aberto por João Gilberto em 1997 contra a gravadora EMI, que hoje pertence a Universal Music Group.

No dia 8 de março, o Tribunal Pleno do Órgão Especial do Rio de Janeiro negou um mandado de segurança pedido pela EMI e Universal Music, que às obrigavam a pagar o valor de R$ 175.784.675,20 aos representantes legais de João Gilberto e à P. I. Participações.

Ainda de acordo com Ancelmo Gois, a Universal Music e a EMI teriam 15 dias para pagar a condenação sobre a obra do cantor.

E execução só foi suspensa por um embargo que foi instaurado no processo.

Álbum inédito de João Gilberto foi lançado em 2023

O álbum duplo João Gilberto (ao vivo no Sesc 1998) lançado pelo Selo Sesc, no dia 5 de abril de 2023, gratuitamente e com exclusividade na plataforma Sesc Digital, foi disponibilizado nos principais serviços de streaming do dia 26 de abril. O trabalho remasterizado da histórica apresentação na unidade Vila Mariana, em 1998, também pôde ser adquirido em sua versão física a partir da mesma data, nas Lojas Sesc das unidades de todo o estado de São Paulo e no site, com entrega para todo o país.

"Estamos comemorando os 25 anos da apresentação com o lançamento da gravação remasterizada, agora disponível nas plataformas de streaming e em formato físico. Afinal, trata-se de uma obra de grande valor histórico, que deve ser não apenas amplamente divulgada, mas guardada, por todos os amantes da música brasileira, que reconhecem o papel proeminente e fundador do pai da bossa nova e reinventor do samba", diz Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo.

Foto: Divulgação / The Music Journal

A instituição convidou o artista visual Speto, importante nome da arte urbana, para fazer uma versão do grafite realizado por ele em homenagem ao cantor e, com a nova arte, estampar a capa do álbum. A pintura original foi realizada em 2020 na fachada de um edifício na Avenida Senador Queirós, próximo ao Mercado Municipal, em São Paulo.

O grafite apresenta o artista sentado, abafando seu violão, como se estivesse silenciando o instrumento ao final de uma música, em alusão ao fim de um ato. Speto relata que a imagem foi desenvolvida usando o mínimo de traços possível, em referência ao minimalismo da bossa nova e, sobretudo, de João Gilberto.

O álbum Relicário: João Gilberto (ao vivo no Sesc 1998) é fruto do trabalho de curadoria e gerenciamento do vasto acervo do Sesc São Paulo. O destaque da gravação está na música inédita Rei sem coroa que, apesar de compor o repertório de alguns shows, nunca foi registrada em estúdio ou gravada oficialmente pelo artista, reforçando a importância deste resgate histórico.

The Music Journal The Music Journal Brazil
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade