PUBLICIDADE

Monte Hellman (1929-2021)

21 abr 2021
0comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/Universal Pictures / Pipoca Moderna

O diretor Monte Hellman, que dirigiu os clássicos cultuados "O Tiro Certo" (The Shooting) e "Corrida Sem Fim" (Two-Lane Blacktop), morreu na terça-feira, uma semana após sofrer uma queda em casa, aos 91 anos.

Chamado de o cineasta americano mais talentoso de sua geração pela influente revista francesa Cahiers du Cinema, Monte Himmelbaum (seu nome verdadeiro) começou sua carreira nos anos 1950, abrindo uma companhia de teatro em Los Angeles. Ninguém menos que Roger Corman, o rei dos filmes B, foi um de seus investidores e eles se juntaram na primeira montagem de "Esperando Godot", de Samuel Beckett, na cidade. Quando foi expulso de seu espaço depois de um ano, Hellman foi encorajado pelo produtor a entrar no cinema e assim fez sua estreia em 1959, dirigindo o terror barato "A Besta da Caverna Assombrada" com produção de Corman.

Ele também foi um dos envolvidos nas filmagens de "Sombras do Terror", que aconteceu apenas para aproveitar dois dias de estúdio agendado com cenários góticos, numa sobra do cronograma da produção de "O Corvo", em 1963. Após Corman filmar dois dias de cenas de Boris Karloff subindo e descendo escadas, andando por corredores e abrindo portas num castelo, vários diretores foram convocados para completar a produção com cenas ao ar livre, entre eles Hellman e Francis Ford Coppola.

Foi nessa produção inusitada que Hellman conheceu Jack Nicholson, astro do filme - trajado no uniforme napoleônico de Marlon Brando, contrabandeado de "Désirée, o Amor de Napoleão" (1954). Os dois se tornaram parceiros em várias produções.

Hellman e Nicholson rodaram dois filmes consecutivos nas Filipinas para Corman em 1964, "Flight to Fury" e "Guerrilheiros do Pacífico". O diretor filmou o segundo enquanto editava o primeiro, e antes de terminar o ano ainda completou "Cordilheira", o que dá ideia do ritmo insano das produções de Corman.

Depois de mostrar serviço, Hellman procurou o produtor para financiar um faroeste escrito por uma amiga de Jack Nicholson, a estreante Carole Eastman (que depois escreveria outro clássico, "Cada um Vive como Quer"). O produtor topou, desde que o mesmo orçamento rendesse dois westerns. O resultado foi "O Tiro Certo", escrito por Eastman, e "A Vingança de um Pistoleiro", com história concebida rapidamente por Nicholson.

Os dois filmes marcaram época pelo uso das paisagens desertas e empoeiradas em Kanab, Utah, e levaram apenas três semanas para serem concluídos em 1966.

"O Tiro Certo" também inaugurou a parceria do diretor com outro astro, Warren Oates (1928-1982), que Hellman passou a considerar seu alter ego no cinema. Na trama, o personagem de Oates era contratado para guiar uma mulher misteriosa (Millie Perkins) pelo deserto opressivamente quente, cuja agenda de vingança acaba incluindo um terceiro viajante, um pistoleiro habilidoso retratado por Nicholson.

Já "A Vingança de um Pistoleiro" trazia Nicholson e mais dois cowboys em fuga, sendo caçados por vigilantes.

"Achávamos que estávamos fazendo 'Duelo ao Sol'", Hellman disse uma vez ao LA Weekly sobre as filmagens, citando um western clássico dos anos 1940. Mas embora os dois longas tenham sido exibidos no Festival Cannes em 1966, nenhum recebeu distribuição nos cinemas dos Estados Unidos, porque a companhia europeia que os adquiriu no festival faliu. Eles só chegaram aos EUA na TV, onde estrearam dois anos depois. Por isso, a crítica cinematográfica demorou a descobri-los, o que só aconteceu na era do VHS, quando se tornaram cultuadíssimos e considerados pioneiros do western subversivo que revolucionou o gênero nos anos 1960.

A decepção com o destino dos longas fez Hellman levar cinco anos para voltar a dirigir. Nesse meio tempo, trabalhou como editor em cult movies como "Os Anjos Selvagens" (1966) para Corman e "Os Monkees Estão de Volta" (Head, 1968) para Bob Rafelson. Mas quando decidiu que era hora de voltar ao cinema, trouxe ao mundo sua obra mais cultuada, "Corrida Sem Fim", em 1971.

O filme trazia o cantor James Taylor e o baterista dos Beach Boys, Dennis Wilson, como dois hot-rodders, que ganhavam a vida vencendo corridas de arrancada com seu Chevy One-Fifty de 1955 incrementado. Eles acabam desafiados pelo personagem de Warren Oates, proprietário de um novo Pontiac GTO, numa corrida pelas estradas do Arizona a Washington.

As sessões de imprensa do longa chamaram atenção pelos aplausos, as primeiras críticas rasgaram elogios e o então chefe da Universal Pictures, Ned Tanen, chegou a dizer que "Corrida Sem Fim" era o melhor filme ao qual ele já tinha se associado. Infelizmente, seu chefe, Lew Wasserman, não compartilhou do mesmo entusiasmo. Ao contrário, achou que o filme era "subversivo", segundo contava Hellman, e proibiu que o estúdio gastasse publicidade para promovê-lo, resultando num fracasso comercial.

Hellman fez mais dois longas com Warren Oates, "Galo de Briga" (1974) e "A Volta do Pistoleiro" (1978), este último um spaghetti western rodado na Espanha. E passou muitos anos envolvido em projetos - mais de 50, segundo uma contagem - que acabaram nunca sendo realizados.

Ele ainda trabalhou como editor de "Elite de Assassinos" (1975) para Sam Peckinpah e diretor de segunda unidade nas cenas de ação de "Agonia e Glória" (1980), de Samuel Fuller, e "RoboCop" (1987), de Paul Verhoeven. Além disso, como produtor executivo, ajudou a financiar "Cães de Aluguel" (1992), primeiro filme dirigido por Quentin Tarantino, enquanto pensava que poderia dirigir o roteiro do colega, que vislumbrava como um potencial clássico.

Após seus últimos longas fracassarem - a aventura "Iguana: A Fera do Mar" (1988) e o terror "Noite do Silêncio" (1989), lançado direto em vídeo - o diretor só foi ressurgir mais de duas décadas depois, com "Caminho para o Nada" (2010), produzido por sua filha. Exibido no Festival de Veneza, o filme foi recebido com curiosidade, mas sua maior repercussão foi trazer de volta a lembrança de Monte Hellman para os cinéfilos de todo o mundo.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade