PUBLICIDADE

'Meu filho ainda não foi pra escola”, alfineta Luana Piovani após ser criticada por não elogiar Pedro Scooby

O surfista foi para o Sul, acompanhado de um grupo de outros atletas do esporte, para ajudar no resgate de vítimas

7 mai 2024 - 20h55
(atualizado às 23h10)
Compartilhar
Exibir comentários
'Meu filho ainda não foi pra escola”, alfineta Luana Piovani após ser criticada por não elogiar Pedro Scooby
'Meu filho ainda não foi pra escola”, alfineta Luana Piovani após ser criticada por não elogiar Pedro Scooby
Foto: Reprodução/Instagram

Luana Piovani comentou sobre as críticas que vem recebendo nas redes sociais por não ter elogiado publicamente o ex-companheiro e pai dos filhos dela, Pedro Scooby. O atleta está participando de uma comitiva de surfistas que foi para o Rio Grande do Sul ajudar no resgate das vítimas das enchentes, que afetam a região.

Nos Stories de seu perfil no Instagram, ela postou alguns dos comentários direcionados a ela em relação a como se posiciona sobre as atitudes de Scooby. “Esperando você falar mal do ex agora! Porque quando ele faz um a você fala, mas quando faz o bem, cala né! Cômodo demais né!”, escreveu uma internauta. “Sempre mete marra para criticar o Scooby! Quero ver elogiar ele”, comentou outra. “Parabéns, Pedro Scooby pela iniciativa”, elogiou mais uma. 

Em resposta, Luana escreveu: “Meu filho ta, (sic.) faz 20 dias no Rio e ainda não foi pra escola. Pras vacas que acham ele o máximo, peguem a senha”. 

Nos Stories de seu perfil no Instagram, ela postou alguns dos comentários direcionados a ela em relação a como se posiciona sobre as atitudes de Scooby.
Nos Stories de seu perfil no Instagram, ela postou alguns dos comentários direcionados a ela em relação a como se posiciona sobre as atitudes de Scooby.
Foto: Reprodução/Instagram

Nos Stories seguintes, ela disse ainda que tem vários amigos no Sul e que estava muito abalada com as notícias. “Ontem já não estava muito fácil pra mim e terminei o dia tendo uma crise de choro. Benzuco, meu filho de 8 anos, veio me acolher. Fico tentando controlar, mas às vezes não dá. Simplesmente as lágrimas começam a saltar e não tem o que fazer... o santo do meu filho me acolhendo... Liz é mais madura, sabe que tudo está organizado”, falou. 

“Aí entrei nas redes sociais para ver a minha nova amiga Denise, da ONG Colo de Mãe, a qual está fazendo um trabalho no Sul e estava checando informações com ela e acabei chegando em comentários tão estúpidos, grosseiros, absurdos.. E eu tendo que engolir tudo. É muito desesperador quando não sabemos o que fazer e quais atitudes ter", desabafou. 

Ela continuou: "Me deu vontade de começar um tsunami de novo. Mas não adianta... A gente não faz a parte do outro. Quem faz é ele. Eu vou respeitar as escolhas. Estou trabalhando aqui minha frustração.... Hoje já me sinto melhor...Estou conseguindo compreender emocionalmente que as escolhas foram feitas e que eles vivam as suas escolhas. Eu vou viver a minha que é cuidar bem de tudo que proponho a cuidar bem". 

Por fim, ela disse que estava feliz, sim, por ver vários artistas ajudando a região e que espera que todos tenham “solidariedade pelos nosso irmãos do Sul”. 

Enchentes no Sul

O governo federal reconheceu o estado de calamidade pública para 336 municípios do Rio Grande do Sul neste domingo, 5, devido às fortes chuvas na região, Segundo o último boletim da Defesa Civil, divulgado às 18h desta terça-feira, 7, subiu para 95 o número de óbitos registrados em decorrência das enchentes no Estado. 

Até o momento, são 131 desaparecidos e 1.443.950 pessoas afetadas pelo desastre em 401 municípios. Destes, 48.799 estão em abrigos, há 159.036 desalojados, e 372 estão feridos.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade