PUBLICIDADE

Françoise Forton (1957-2022)

17 jan 2022 12h24
ver comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/Fox / Pipoca Moderna

A atriz Françoise Forton morreu no domingo (16/12), no Rio de Janeiro, aos 64 anos. Estrela de novelas que marcaram época, ela estava em tratamento contra um câncer.

Ela iniciou a carreira aos 13 anos, no filme "Marcelo Zona Sul" (1970), e entrou na Globo aos 16, aparecendo em um episódio da versão original de "A Grande Família", em 1973, interpretando a namorada de Tuco (Luiz Armando Queiroz). Ela seguiu na televisão com a novela "Fogo sobre Terra" em 1974, interpretando a rebelde Estrada-de-Fogo, seu primeiro de muitos papéis importantes nas telenovelas da emissora.

Em 1975, protagonizou "Cuca Legal" como Virgínia, uma das três mulheres de Mário Barroso (Francisco Cuoco), emendando o papel com a ativista Mariana, que lutava pelos direitos da mulheres na novela das dez "O Grito".

No mesmo ano, fez dois filmes da era da pornochanchada, "Relatório de Um Homem Casado" (1974) e "O Sósia da Morte" (1975). Tinha 18 quando o último foi lançado, estampando sua nudez no pôster.

Seu papel mais famoso de mocinha veio no ano seguinte, 1976, quando protagonizou "Estúpido Cupido", novela ambientada nos anos 1960. Sua personagem era Maria Tereza, uma moça sonhadora que desejava sair da pequena Albuquerque para ser eleita Miss Brasil. Porém, o namorado João (Ricardo Blat), aspirante a jornalista, morre de ciúmes e pretende se casar com ela, colocando-se como empecilho a seus planos.

Foi um fenômeno de audiência. Mas após o fim da novela ela passou sete anos afastada da televisão, voltando só em 1983 na Rede Bandeirantes, onde fez a novela "Sabor de Mel" e a série "Casa de Irene".

Forton retornou à Globo em 1988 na novela "Bebê a Bordo", em que interpretou a sensual Glória, e se destacou no ano seguinte em outro sucesso, "Tieta", como a vilã Helena, esposa de Ascânio (Reginaldo Faria).

Ainda atuou em "Meu Bem, Meu Mal" (1990), foi uma das "Perigosas Peruas" (1992), integrou "Sonho Meu" (1993), "Quatro por Quatro" (1994) e teve seu grande destaque como vilã em "Explode Coração", a primeira telenovela a ser gravada no Projac, na pele de Eugênia Avelar, mulher requintada e fria, apaixonada pelo protagonista Júlio (Edson Celulari).

A lista de novelas de sua segunda passagem pela Globo também inclui "Anjo de Mim" (1996), "Por Amor" (1997), "Uga Uga" (2000), "O Clone" (2001) e "Kubanacan" (2003).

Depois de viver a fútil Concheta, a atriz passou a trabalhar no SBT, onde estrelou dois remakes de novelas mexicanas, "Seus Olhos" (2004) e "Os Ricos Também Choram" (2005). Em seguida, assinou contrato com a Rede Record, onde permaneceu até o ano de 2011, participando de "Luz do Sol" (2007), "Caminhos do Coração" (2008), "Os Mutantes" (2008) e "Ribeirão do Tempo" (2010).

No mesmo ano, filmou "Leo e Bia", filme do cantor Oswaldo Montenegro. E em seguida voltou à Globo, fazendo participações em "Amor à Vida" (2013), "I Love Paraisópolis" (2015) e "Tempo de Amar" (2017).

Seus últimos trabalhos foram bastante diversificados: a série "Prata da Casa" (2017) na Fox, o filme sertanejo "Coração de Cowboy" (2018) e a novela "Amor sem Igual" (2019), da Record.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade