Bolsonaro cumpre ameaça e Ancine começa mudança para Brasília

6 abr 2021
18h58 atualizado às 19h06
0comentários
18h58 atualizado às 19h06
Publicidade
Foto: Divulgação/Ancine / Pipoca Moderna

Enquanto a pandemia continua a ocupar o noticiário, o governo Bolsonaro segue passando a boiada.

A coluna de Lauro Jardim, no jornal o Globo, revelou que a Ancine iniciou um processo para diminuir a sua presença física no Rio de Janeiro. No final da semana passada, a agência desocupou um andar inteiro de um prédio no Centro da cidade e a expectativa é que, ainda em abril, um andar no prédio da Anatel, em Brasília, seja disponibilizado para a agência.

Em janeiro, o Ministério das Comunicações sugeriu que poderia realizar uma fusão entre a Ancine e a Anatel, entidades de pastas e funções completamente distintas. Neste sentido, a mudança da Ancine para o prédio da Anatel seria praticamente uma declaração de intenções.

Bolsonaro tem se mostrado insatisfeito com a Ancine desde o começo de seu governo. Em agosto de 2019, ele ameaçou pela primeira vez a transferência do órgão colegiado para Brasília, como parte de um plano para a Ancine "deixar de ser uma agência e passar a ser uma secretaria subordinada a nós". O objetivo, segundo Bolsonaro, era sujeitar a aprovação de projetos a seus "filtros" (ou gosto) pessoais. "Se não puder ter filtro, nós extinguiremos a Ancine. Privatizaremos ou extinguiremos. Não pode é dinheiro público ficar usado para filme pornográfico", afirmou.

Um mês depois desta declaração e inconformado com a demora para conseguir o que queria, Bolsonaro foi mais longe e ameaçou "degolar" os integrantes da Ancine: "Se a Ancine não tivesse, na sua cabeça toda, mandato, já tinha degolado todo mundo". A ameaça foi completada por um gesto com as mãos sob o pescoço que representa o assassinato por meio de degola.

Desde a posse de Bolsonaro, a Ancine enfrenta uma crise sem precedentes, atuando com um presidente interino nunca efetivado e com uma diretora incompleta, que não tem seus diretores nomeados.

Enquanto isso, a arrecadação das taxas Condecine e Fistel, pagas pela indústria de telefonia e audiovisual para o financiamento público de novas produções brasileiras de cinema e TV, acumula uma fortuna não contabilizada em cofres que têm sido blindados de investigação, sem que projetos novos - ou muito poucos - sejam beneficiados com a verba do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). Apenas os valores arrecadados em 2018 (para serem investidos em 2019) foram divulgados (e somente em dezembro de 2019): um montante de R$ 703,7 milhões. Desde então, as taxas fecharam mais dois anos de arrecadação não revelada, podendo ter ultrapassado R$ 2 bilhões de dinheiro sem uso - ou com mau uso.

O Ministério Público Federal (MPF) questionou, num ofício datado de 13 de outubro do ano passado, porque a Ancine tinha aprovado apenas um projeto para obter recursos do FSA num período de dez meses, pedindo que a agência tornasse públicos relatórios anuais de gestão do FSA. "Apuramos que houve uma ordem da procuradoria da Ancine de que não fosse dado andamento a processos, a não ser aqueles que obtivessem liminar na Justiça. Houve, portanto, negligência ao correto andamento desses procedimentos, como houve ação deliberada de paralisação", denunciou o procurador. Mas um juiz da 11ª Vara Federal do Rio de Janeiro barrou a investigação, aceitando a explicação de que "a culpa é da burocracia".

Na ocasião, já havia ao menos 194 mandados de segurança impetrados contra a Ancine na Justiça Federal do Rio, em razão da demora na análise de projetos audiovisuais.

Neste meio tempo, a Ancine mudou sua atividade principal, deixando de ser uma instituição de fomento para virar um escritório de cobranças, aproveitando uma orientação do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre problemas de prestações de contas para rever centenas de balanços anteriormente aprovados de produções com mais de 20 anos, como "Madame Satã", de 2002, "Xuxa e o Tesouro da Cidade Perdida", de 2004, e "Xuxa Gêmeas", de 2006. Por coincidência, depois de a apresentadora Xuxa Meneghel criticar o governo Bolsonaro e após o presidente dizer que iria rever aprovação de filmes de temática LGBTQ pela Ancine. "Confesso que não entendi por que gastar dinheiro público com um filme desses", disse Bolsonaro em agosto passado.

Enquanto escondia os valores de arrecadação do FSA, a Ancine também fez parceria com um banco para assumir ainda outra função, oferecendo empréstimos financeiros para produtores de cinema. Neste caso, a ideia original do FSA, de investimento à fundo perdido, seria substituída por um negócio que passaria a visar lucro - para terceiros (banco) ou para a própria Ancine (em parceria com banco).

Na segunda-feira (5/4), deputados da Comissão de Cultura da Câmara classificaram de "perseguição política" a paralisação nas atividades da Ancine e a demora na liberação de recursos para produções já contempladas em editais da agência. Convidado para debater com os integrantes da comissão, o presidente interino da entidade, Alex Braga, alegou que a questão foi judicializada e, por isso, não iria comparecer.

Quem pode desaparecer a seguir é a própria Ancine.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade