PUBLICIDADE

Ryan O'Neal, astro de "Love Story", morre aos 82 anos

8 dez 2023 - 22h00
(atualizado em 9/12/2023 às 10h52)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Facebook/Ryan O'Neal / Pipoca Moderna

O ator Ryan O'Neal, que ficou marcado pela atuação em "Love Story" e se tornou uma dos maiores ídolos de Hollywood da década de 1970, morreu nesta sexta-feira (8/12) em sua casa em Los Angeles, Califórnia. Ele tinha 82 anos e lutava contra uma leucemia crônica diagnosticada em 2001 e um câncer de próstata identificado em 2012.

 

Início de carreira

Nascido em Los Angeles em 20 de abril de 1941, Ryan O'Neal começou sua carreira em 1960, com participações em episódios de séries clássicas como "Os Intocáveis", "Laramie" e "Leave it to Beaver". Seu primeiro papel de destaque foi como Rodney Harrington na série "Caldeira do Diabo" (Peyton Place), que teve mais de 500 episódios exibidos de 1964 a 1969. Baseada no filme de mesmo nome, a série era um melodrama novelesco e alçou O'Neal ao estrelato, ao capturar o coração dos espectadores com sua aparência jovial e carisma.

Assim que a série acabou, ele fez sua transição para o cinema com o filme "Cartada para o Inferno", de 1969, uma adaptação de uma obra de Elmore Leonard. Este filme, co-estrelado por sua então esposa Leigh Taylor-Young, marcou o início de uma carreira cinematográfica notável, que foi explodir no lançamento seguinte.

 

Estouro de "Love Story"

O maior sucesso de O'Neal veio em 1970 com "Love Story: Uma História de Amor", que ele estrelou ao lado de Ali MacGraw. A obra foi um fenômeno cultural, gerando frases decoradas por fãs (como "Amar significa nunca ter de pedir desculpas"), que sobrevivem até hoje em memes de quem nem conhece o contexto.

Considerado um dos romances de maior repercussão em todos os tempos, o filme dirigido por Arthur Hiller e baseado no best-seller de Erich Segal contava a história de Oliver Barrett IV, um estudante de Harvard que se apaixona por Jenny Cavilleri, personagem de Ali MacGraw, uma jovem de origem mais humilde. Mas não bastassem os desafios sociais, o casal também precisa enfrentar uma doença terminal que acomete Jenny. Além de uma bilheteria histórica, o longa se destacou na temporada de prêmios, sendo indicado a sete Oscars, inclusive Melhor Ator para Ryan O'Neal.

 

Consagração nos anos 1970

Após o drama lacrimoso de "Love Story", O'Neal variou o repertório com o western "Os Dois Indomáveis" (1971) e comédias leves - duas com Barbra Streisand, "Essa Pequena é uma Parada" (1972) e "Meu Lutador Favorito" (1979), e uma com Jacqueline Bisset, "O Ladrão que Veio Jantar" (1973). Mas sua parceira mais importante dessa fase foi sua própria filha, Tatum O'Neal, na comédia "Lua de Papel" (1973), de Peter Bogdanovich.

Ryan e Tatum brilharam juntos no filme ambientado na era da Grande Depressão, que seguia as aventuras de um vigarista e sua filha em viagem pelo Kansas e Missouri. A performance de Tatum lhe rendeu um Oscar histórico, tornando-a a mais jovem vencedora na história da Academia de Artes e Ciência Cinematográficas com apenas 10 anos de idade.

O filme seguinte do ator foi em "Barry Lyndon" (1975), dirigido por Stanley Kubrick, onde interpretou o personagem-título, um aventureiro irlandês que sobe na hierarquia social na Europa do século XVIII. A produção também marcou época por suas inovações e excelência técnica, ao utilizar pela primeira vez no cinema uma iluminação totalmente natural, obtida com o uso de velas em suas cenas. Kubrick e o diretor de fotografia John Alcott utilizaram lentes especiais desenvolvidas pela NASA, capazes de capturar imagens com pouquíssima luz. Essas lentes, com uma abertura extremamente ampla, permitiram que as cenas internas dispensassem iluminação artificial adicional - o que conferiu ao filme uma qualidade visual única e revolucionária, replicando a maneira como os interiores eram iluminados no século XVIII. Além disso, a obra foi composta por planos que se assemelhavam à pinturas do século XVIII, com enquadramentos cuidadosamente construídos em takes longos. O feito foi reconhecido com o Oscar de Melhor Fotografia e outros três troféus técnicos.

Após esses trabalhos marcantes, Ryan voltou a trabalhar com Peter Bogdanovich em "No Mundo do Cinema" (1976), integrou o elenco gigantesco da superprodução de guerra "Uma Ponte Longe Demais" (1977), de Richard Attenborough - outro grande sucesso comercial - , e estrelou "Caçador de Morte" (The Driver, 1978), um suspensão dirigido por Walter Hill. Entretanto, o sinal de alerta foi aceso quando o ator apareceu na sequência de seu maior sucesso, "A História de Oliver", em 1978. A ideia de continuar a trama de "Love Story" como uma história de luto provou-se um fiasco, surpreendo as expectativas do estúdio.

 

Uma Love Story da vida real

Durante seu auge profissional, Ryan O'Neal experimentou sua própria Love Story, ao conhecer e se apaixonar pela atriz Farrah Fawcett, estrela da série "As Panteras" (Charlie's Angels) e uma dos maiores sex symbols dos anos 1970. Os dois iniciaram um relacionamento em 1979 que durou, entre idas e vindas, quase três décadas. Apesar disso, nunca se casaram, embora tivessem um filho juntos, Redmond O'Neal.

O relacionamento teve seus altos e baixos, com episódios de separações e reconciliações. E após um período separado, o casal se reuniu novamente quando O'Neal foi diagnosticado com leucemia. Eles permaneceram juntos até a morte de Fawcett em 2009, devido a um câncer - como no filme famoso.

 

Implosão nos anos 1980

Enquanto celebrava o amor, o ator teve dificuldades em replicar o sucesso que teve no começo da carreira.

Nos anos 1980, ele se especializou em comédias e apareceu em diversos fracassos de bilheteria. Em "Amor na Medida Certa" (1981), interpretou um professor universitário que se envolvia no negócio de moda da família. Em "Dois Tiras Meio Suspeitos" (1982), explorou o gênero da comédia policial, interpretando um detetive heterossexual que se disfarçava como gay. Em "Diferenças Irreconciliáveis" (1984), lutou com Shelley Long pela custódia da pequena Drew Barrymore. Até que "A Marca do Passado" (1987) empurrou o que restava de sua fama ladeira abaixo.

Dirigido pelo renomado escritor Norman Mailer, "A Marca do Passado" foi uma tentativa de mesclar film noir com elementos de comédia e drama, mas acabou se destacando pelo tom confuso e pela aparente falta de convicção do astro ao interpretar seu personagem, um ex-traficante de drogas metido em uma série de eventos misteriosos e violentos. Uma das falas ditas pelo ator na produção se tornou uma das mais ridicularizadas da história do cinema. A frase em questão é "Oh man! Oh God! Oh man! Oh God! Oh man! Oh God! Oh man! Oh God!", dita repetidamente por Ryan O'Neal em uma cena dramática.

 

Reinvenção na TV

Com a repercussão negativa de "A Marca do Passado", o astro se viu sem muitas outras opções no cinema, decidindo ir fazer TV. E para tornar a transição uma espécie de "queda para cima", resolveu estrelar uma minissérie junto com a namorada/esposa Farrah Fawcett. A iniciativa, batizada de "O Sacrificio Final" (1989), deu resultado e, além de boa audiência e críticas positivas, rendeu três indicações ao Emmy - incluindo Melhor Atriz para Farrah.

Depois disso, o casal dobrou a aposta e quis estrelar sua própria série de comédia. Entretanto, "Good Sports" (1991), onde interpretaram âncoras em uma rede esportiva, foi cancelada após 15 episódios.

Ryan seguiu carreira na TV, estrelando telefilmes e fazendo aparições em séries, como "Desperate Housewives", "Barrados no Baile" (90210) e principal "Bones", onde interpretou o pai da personagem principal (vivida por Emily Deschanel), aparecendo em vários episódios ao longo da série.

 

Últimos papéis

Antes de se aposentar com o fim de "Bones" em 2017, ele ainda fez uma última aparição no cinema, no filme "Knight of Cups" (2015), dirigido por Terrence Malick, e emocionou os fãs ao se reencontrar com Ally MacGraw, sua parceira de "Love Story", numa encenação de 2016 da peça "Love Letters" de A.R. Gurney. A montagem teve uma recepção calorosa e serviu como um olhar retrospectivo sobre a carreira de ambos os atores.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Compartilhar
Publicidade
Publicidade