PUBLICIDADE

Norman Lloyd (1914-2021)

11 mai 2021 22h06
ver comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/United Artists / Pipoca Moderna

O ator, produtor e diretor norte-americano Norman Lloyd, que em mais de 80 anos de carreira colaborou com lendas do cinema como Charles Chaplin e Alfred Hitchcock, morreu dormindo aos 106 anos de idade nesta terça-feira (11/5), em sua casa em Los Angeles.

O ator era uma parte da história de Hollywood. Ele adorava entreter colegas e o público de festivais com histórias de suas partidas de tênis com Chaplin, sua amizade com Alfred Hitchcock, o trabalho com o diretor francês Jean Renoir, a beleza da atriz Ingrid Bergman, e sobre com deu a Stanley Kubrick um de seus primeiros empregos na TV.

Lloyd começou a se destacar como ator na conhecida Mercury Theatre, companhia de teatro fundada em 1937 pelo ator e diretor Orson Welles. Ele chegou a ser convidado a estrear no cinema em "Cidadão Kane" (1941), primeiro filme dirigido por Welles, mas recusou. Em vez disso, chegou às telas como o personagem-título de "Sabotador", filme de espionagem dirigido pelo mestre Hitchcock em 1942, onde representou uma cena icônica, ao pular da Estátua da Liberdade no clímax da história.

Ele foi outro vilão logo em seguida, em "Amor à Terra" (1945), co-escrito pelo lendário escritor William Faulkner e dirigido por Jean Renoir. Ainda voltou a trabalhar com Hitchcock no clássico noir "Quando Fala o Coração" (Spellbound, 1945), vivendo um paciente na clínica psiquiátrica de Ingrid Bergman. Também foi um soldado no célebre drama de guerra "Um Passeio ao Sol" (1945), de Lewis Milestone. E isso apenas em 1945.

Nos anos seguintes, foi dirigido por outros mestres do cinema, como Jules Dassin ("Uma Carta para Eva", 1946), Anthony Mann ("A Sombra da Guilhotina", 1949), Jacques Tourneur ("O Gavião e a Flecha"), Joseph Losey ("O Maldito", 1951), Richard Brooks ("O Milagre do Quadro", 1951) e, claro, Chaplin. Ele interpretou um coreógrafo em "Luzes da Ribalta" (1952), o segundo longa falado de Chaplin.

Inquieto, Lloyd não queria apenas atuar. Depois de participar de mais um filme dirigido por Lewis Milestone, "O Pintor de Almas" (1948), convenceu o cineasta a contratá-lo como assistente de produção, vindo a trabalhar nos bastidores de dois filmes do diretor, "Arco do Triunfo" (1948) e "O Vale da Ternura" (1949).

Ao migrar para a TV nos anos 1950, decidiu começar a dirigir. Mas se sentia inseguro na nova função. Por isso, convocou um jovem estagiário para virar diretor de segunda unidade e ajudá-lo a gravar uma minissérie sobre Abraham Lincoln. O rapaz se chamava Stanley Kubrick.

Depois disso, ele foi atrás de outro diretor amigo, Alfred Hichcock, para entrar na equipe da série que levava o nome do cineasta. Lloyd acabou virando produtor de "Alfred Hitchcock Apresenta". Não só isso. Ele dirigiu 19 episódios da série de suspense, consolidando sua carreira de diretor de TV, que se estendeu até os anos 1980.

Lloyd também foi o showrunner da série "Alfred Hitchcock Hour" nos anos 1960 e chegou a desenvolver a produção de um filme do diretor, "Short Night", que Hitchcock filmaria após "Trama Macabra" (1976), mas uma piora na saúde do cineasta nunca permitiu que o projeto saísse do papel. Hitchcock morreu em 1980.

Paralelamente a seus trabalhos atrás das câmeras, Lloyd continuou atuando em séries e filmes.

Na TV, pareceu em "Galeria do Terror", "Kojak", "O Homem da Máfia" e "Jornada nas Estrelas: A Próxima Geração", além de ter integrado o elenco central da série médica "St. Elsewhere", responsável por popularizar Denzel Washington. No papel do Dr. Daniel Auschlander, Lloyd participou de todas as seis temporadas da atração, exibidas entre 1982 e 1988.

No cinema, continuou colecionando grandes filmes e cineastas maiores, vivendo um médico no terror "As Duas Vidas de Audrey Rose" (1977), de Robert Wise, o diretor da escola do cultuadíssimo "A Sociedade dos Poetas Mortos" (1990), de Peter Weir, o dono de uma firma jurídica em "A Época da Inocência" (1993), de Martin Scorsese, etc. Até se despedir das telas com uma participação em "Descompensada", de Judd Apatow, em 2015.

"Lloyd acendia cada momento em que estivesse presente", escreveu Apatow na revista Vanity Fair à época.

Apesar dessa carreira tão ilustre, Norman Lloyd nunca virou um astro do primeiro time, tanto que um documentário de 2007 sobre sua vida chegou às telas com o título de "Who Is Norman Lloyd?" (Quem é Norman Lloyd).

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade