PUBLICIDADE

Associação de Donos de Cinemas dos EUA ataca Disney por estratégia de "Viúva Negra"

18 jul 2021 21h49
| atualizado em 19/7/2021 às 01h07
ver comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/Marvel Studios / Pipoca Moderna

A Associação Nacional de Donos de Cinemas dos Estados Unidos (NATO, na sigla em inglês) divulgou um comunicado agressivo contra a Disney neste fim de semana, comemorando o fato de "Viúva Negra" ter perdido a liderança das bilheterias, com uma queda de 67% de arrecadação em relação à semana anterior.

O filme foi lançado ao mesmo tempo nos cinemas e na plataforma de streaming Disney+ (para locação ao preço de US$ 30 nos EUA) e a associação está culpando o modelo — chamado de "Premier Access" pela Disney — por fazer o próprio estúdio e toda a indústria cinematográfica perderem dinheiro.

A nota é uma reação à divulgação do faturamento digital do filme em sua primeira semana em streaming. A Disney abalou o mercado ao revelar que "Viúva Negra" tinha faturado US$ 60 milhões em seus primeiros três dias no "Premier Access", valor que foi comemorado pela empresa como cereja do bolo de sua iniciativa de lançamento casado entre cinemas convencionais e plataforma digital.

A NATO questiona as "alegações de que essa estratégia de lançamento aprimorada na era do streaming é um sucesso para a Disney". E tira números da cartola para dizer que o filme, que faturou US$ 80 milhões em seu primeiro fim de semana nos cinemas dos EUA, poderia ter feito muito mais. Exatamente US$ 130 milhões, segundo a associação, se tivesse chegado apenas nos cinemas.

Para justificar o valor, a NATO cita o desempenho de "Velozes & Furiosos 9" e "Um Lugar Silencioso - Parte II", títulos da Universal lançados exclusivamente nos cinemas.

A projeção não se sustenta, porque, para começar, os dois filmes tiveram menor bilheteria que "Viúva Negra". Além disso, é impossível afirmar que pessoas que optaram por assistir ao título da Marvel em casa teriam ido ao cinema durante o atual momento da pandemia, com a disseminação da variante delta.

A associação também diz inverdades ao afirmar que "o lucro do Premier Access não é dinheiro novo, mas foi adiantado de uma janela de VOD mais tradicional, que não é mais uma opção". Ou seja, para a NATO, a Disney teria deixado de lucrar com um lançamento posterior em VOD ao fazer uma estreia simultânea, que eliminaria a possibilidade dos fãs reprisarem o consumo do filme mais adiante.

A informação não é verdadeira por um motivo óbvio. Com o lançamento da Disney+, os títulos do estúdio só têm lançamento em VOD nas condições do "Premier Access". Se não tivesse distribuição simultânea, "Viúva Negra" chegaria em segunda janela na Disney+ de graça para os assinantes (isto é, sem a cobrança dos US$ 30 pelo aluguel digital). Não seria, portanto, VOD (video sob demanda), mas SVOD (assinatura sob demanda).

Além disso, não há comprovação de que o público de determinado sucesso cinematográfico tenha o hábito de pagar para vê-lo de novo quando é disponibilizado online. Afinal, VOD não tem o mesmo apelo do Blu-ray, que representa um objeto de coleção para os fãs.

A organização finaliza sua crítica chamando atenção para o compartilhamento de senhas e downloads ilegais do filme, apontando para o fato de o lançamento digital facilitar a pirataria.

A pirataria é um fator real. Mas não se pode esquecer que o fenômeno dos downloads ilegais começou com a música e hoje há impérios digitais criados em torno de plataformas musicais pagas. A própria Disney+ já tem mais de 100 milhões de assinantes em todo o mundo.

Os principais pontos levantados pela NATO são defesas pontuais de seus interesses, como entidade dos donos de cinema - logicamente contrários às plataformas de streaming.

Trata-se de uma análise parcial, que parte de premissas equivocadas e manipuladas.

Por sinal, sabe que outro filme teve queda de 67% em sua arrecadação de segunda semana nos últimos meses? "Velozes & Furiosos 9", citado como exemplo de sucesso de lançamento exclusivo no cinema pela associação. Uma queda que, pelos próprios argumentos da NATO, não foi causada por pirataria de cópias online, mas pela pandemia mesmo.

Negacionismo também existe no mercado cinematográfico.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade