0

Criminalização da homofobia aumenta rejeição, diz musa trans

26 fev 2019
14h52
  • separator
  • 0
  • comentários

A criminalização da homofobia volta à pauta do STF e tem gerado muita polêmica. Um dos pedidos é um mandado de injunção, impetrado pela Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo (APOLGBT), para que o STF defina o crime de homofobia. As opiniões estão divididas na sociedade, e existe muita pressão vindo tanto de segmentos mais conservadores, como a bancada evangélica, que temem que pastores sejam presos por falar contra a homossexualidade, quanto de movimentos ativistas LGBT, que querem garantir direitos dos gays, lésbicas e transexuais.

Foto: MF Press Global / Divulgação

Priscila Reis, musa transexual do Carnaval carioca 2019, acredita que embora seja importante a militância pela igualdade e por direitos, toda essa discussão pode gerar mais apatia e criar uma segmentação na sociedade.

Foto: MF Press Global / Divulgação

"Me preocupo muito com essa tentativa de criar leis direcionadas ao público LGBT. Estão criando diferenças e especialidades, e isso pode aumentar a rejeição e o preconceito. Leis contra preconceito já existem, o que acredito é que é necessário mais a conscientização do que a criação de novas leis. Enfatizar muito a diferença, segmentar a sociedade em gays, transexuais e héteros cria ainda diferença e isso é perigoso demais", disse Priscilla.

Foto: MF Press Global / Divulgação

A musa virá a frente de um carro alegórico da escola da Acadêmicos do Sossego, que justamente exalta a diversidade, a liberdade religiosa, e protesta contra a intolerância e o preconceito.

"Eu acredito que os grupos LGBT podem estar sendo influenciados por partidos políticos, e o verdadeiro ideal e propósito da causa está sendo esquecido. O que tem que valer é a premissa de que todos nós, independente de opção sexual, cor ou etnia, sejamos iguais perante à Lei. É preciso entender que interesses estão por trás de tanto discurso de ódio e das leis. Todos temos de ser iguais, e não segmentados. Luto pela igualdade, justiça social, e não por um tipo de apartheid LGBT", afirma. 

Foto: MF Press Global / Divulgação

Veja também:

Fonte: Equipe portal
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade