PUBLICIDADE

Quebrada do Cafu luta contra título de 'penta' em enchentes

Córrego corta o Jardim Irene, bairro que fica no limite entre São Paulo e Embu das Artes, mas nenhuma das duas prefeituras atuam por solução

21 mai 2022 13h20
| atualizado em 23/5/2022 às 19h01
ver comentários
Publicidade

O Jardim Irene, no distrito do Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, entrou na história das Copas do Mundo há 20 anos, quando o então capitão da seleção brasileira, Cafu, escreveu o nome do bairro na camisa antes de erguer a taça do pentacampeonato.

Hoje, os moradores da região reclamam que o bairro alcançou um "novo penta": de alagamentos. A região enfrentou cinco fortes enchentes nesses oito anos, sendo três delas durante o último mês de março.

"Quando o Cafu foi penta, colocou Jardim Irene [em exposição]. Mas o que fizeram? Nada. Aqui é pentacampeão da enchente"

Cassio José da Silva, 40, morador do bairro

O ponto mais crítico é a rua Bicci di Lorenzo, que fica à margem do córrego Pirajuçara que separa o Jardim Irene, em São Paulo, do Jardim Santo Eduardo, em Embu das Artes. Por ali, a maioria das casas possui uma comporta na entrada e histórico de danos causados pela água.

Em março, houve uma manifestação na Estrada de Itapecerica, a caminho da Estação Capão Redondo, realizada pelo Mofeu (Movimento Unificado pelo Fim das Enchentes), um grupo formado pelos moradores do Irene para cobrar soluções para o problema.

Moradores do Jardim Irene durante manifestação em frente a Estação Capão Redondo @Suzana Leite/Agência Mural
Moradores do Jardim Irene durante manifestação em frente a Estação Capão Redondo @Suzana Leite/Agência Mural
Foto: Agência Mural

"Nós trabalhamos tanto em busca de resolver o problema desse córrego, a canalização dele, a enchente, quanto de conscientizar a nossa população", diz o analista de sistema Anderson Soares, 41, líder do Mofeu e comunidade como Nando.

Dias depois dessa passeata, o Jardim Irene ainda enfrentou a terceira grande enchente.

 

Prejuízo

O córrego Pirajuçara nasce na própria cidade de Embu das Artes e deságua no Rio Pinheiros, na região da Cidade Universitária, na zona oeste da capital. Em 18,5 km de extensão, o Pirajuçara passa ainda por Taboão da Serra.

Paula Barros da Silva, 41, é esposa de Cássio, trabalha como costureira e morou sempre na rua próxima ao córrego. Nas enchentes deste ano, ela perdeu a máquina de costura, que garantia a execução do trabalho e era a principal fonte de renda dela.

"A gente tem cuidado. Quando minha mãe fez essa casa que a gente [ela e o marido] mora, ela fez alto para não ter risco de enchente. Tem 41 anos que a gente passa por essa situação, de promessas e promessas, tem o impasse Embu e São Paulo, e nada é feito", conta a moradora.

Casal Cassio José e Paula Barros sofreram perdas durante as enchentes que atingiram o bairro no mês de março @Suzana Leite/Agência Mural
Casal Cassio José e Paula Barros sofreram perdas durante as enchentes que atingiram o bairro no mês de março @Suzana Leite/Agência Mural
Foto: Agência Mural

A reportagem da Agência Mural questionou as duas prefeituras a respeito da situação na região, sobre diálogos entre elas e previsões de obras. Até o fechamento do texto, apenas a Prefeitura de São Paulo havia retornado o contato.

"A Subprefeitura [do Campo Limpo] informa que a área alagada está na região do município de Embu das Artes". Esta foi a única resposta enviada pela assessoria e diverge do que é relatado pelos moradores. A rua mais afetada, a Bicci de Lorenzo, está no município de São Paulo.

Córrego Pirajuçara; ao lado esquerdo a rua Torre de Chanceler, em Embu das Artes; no direito a rua Bicci di Lorenzo, em São Paulo @Suzana Leite/Agência Mural
Córrego Pirajuçara; ao lado esquerdo a rua Torre de Chanceler, em Embu das Artes; no direito a rua Bicci di Lorenzo, em São Paulo @Suzana Leite/Agência Mural
Foto: Agência Mural

Enchentes constantes

A primeira grande enchente enfrentada pelos moradores do Jardim Irene foi em 2014, alcançando também ruas acima do córrego. O fato causou grande revolta no bairro. Nando lembra que um carro da Defesa Civil chegou a ser incendiado na ocasião.

O comerciante José Dias, 66, mora na rua Torre de Chanceller, no Embu, e conta que a enchente de 2014 foi a mais pesada que ele enfrentou: "De uns 10 anos para cá ficou pior, não sei o que acontece".

Ele mora no bairro há 35 anos e relembra que nem quando as duas prefeituras, de São Paulo e Embu, foram governadas pelo mesmo partido - entre 2001 e 2004, com Marta Suplicy e Geraldo Leite - houve diálogo entre as duas gestões.

"Não tenho mais esperança não, com os políticos que a gente tem hoje em dia, você precisa de união e boa vontade, sem isso não adianta", afirma.

Foi na época da enchente de 2014 que Anderson Soares começou a frequentar reuniões na Subprefeitura do Campo Limpo em busca de soluções para a região, porém ele relata que não era "ouvido com atenção", justamente por não haver um movimento organizado no bairro.

"A gente ganha muito sabendo perder. Ele [o Poder Público] realmente não vai se preocupar em vir aqui no meu bairro e cuidar de um buraco sendo que quem passa todo dia em cima dele não fala", afirma.

Ele criou inicialmente o Compromisso Zona Sul. Além de "representar" o Jardim Irene, o grupo também fomenta projetos sociais que surgem dentro da comunidade, enquanto o Mofeu, de 2022, fica exclusivamente nas questões relacionadas aos alagamentos.

Anderson Soares, o Nando, participa de reuniões com a Subrprefeitura do Campo Limpo desde 2014 @Suzana Leite/Agência Mural
Anderson Soares, o Nando, participa de reuniões com a Subrprefeitura do Campo Limpo desde 2014 @Suzana Leite/Agência Mural
Foto: Agência Mural

Dessa época, a única conquista dos moradores foi uma obra de adequação da rua, com asfaltamento e um muro de contenção até hoje incompleto.

A segunda grande enchente veio na última semana de 2019. "É triste você ver a ceia do cara indo embora, pessoal chorava, e chegou no dia 30 nós começamos a correr atrás da Prefeitura para dar uma assistência, a mesma luta, batendo na mesma tecla", lembra Nando.

Entre as várias propostas que foram feitas a respeito do córrego no Jardim Irene, uma em específico data de antes da primeira enchente de 2014, que é a canalização do córrego.

O órgão responsável pela obra da canalização do córrego seria o DAEE (Departamento de Água e Energia Elétrica), que pertence ao governo estadual. O Mofeu chegou a se reunir com o órgão durante o mês de abril.

"De primeiro momento, eles não deram nenhum parecer de que iam resolver o problema, é sempre a mesma conversa, de que é difícil de mexer, tem que ver, quem sabe mandamos uma equipe."

 

Em nota enviada à Agência Mural, a assessoria de imprensa do DAEE confirmou a reunião com o movimento na última semana de abril. "Na ocasião foi definido que, na segunda quinzena de maio, técnicos do DAEE farão uma vistoria no local para, em conjunto com o município, apontar soluções para a área".

A nota afirma ainda que entre 2014 e 2018, o Departamento concluiu a canalização de 1.700 metros do córrego, cuja obra custou R$ 12 milhões. O trecho em questão fica no Jardim Clementino, em Taboão da Serra.

Enquanto a canalização não vem, José Dias deixa sugestões do que podia ser feito emergencialmente pelas gestões em prol da divisa:

"Precisava arrumar esse asfalto que está caindo, e colocar uma espécie de corrimão para não cair pedestres dentro. Pelo menos uma vez ao ano, ali para dezembro, antes de começar a chuvarada, podia vir uma máquina, dar uma limpada no rio e reafundar ele", sugere. "Não resolveria tudo, mas adiantaria bastante".

Agência Mural
Publicidade
Publicidade