PUBLICIDADE

Equipe com brasileiro recria rosto de múmia com condição rara no cérebro; veja resultado

Jovem participava da elite egípcia e tinha 14 anos quando morreu; designer brasileiro Cícero Moraes participou da descoberta

23 nov 2023 - 09h47
Compartilhar
Exibir comentários
Múmia com crânio fora do padrão da normalidade foi analisada por equipe com brasileiro
Múmia com crânio fora do padrão da normalidade foi analisada por equipe com brasileiro
Foto: Cícero Moraes

Com ajuda do designer brasileiro Cícero Moraes, uma equipe de pesquisadores reconstruiu o rosto de uma múmia egípcia de 2300 anos portadora de um cérebro anormalmente grande. 

Pertencente à elite local, o jovem Minirdis faleceu com apenas 14 anos. Ele fazia parte de uma família "sagrada" e, antes de sua morte, herdaria o trabalho de sacerdote de seu pai, Inaros.

Seus restos mortais foram encontrados em 1925 no cemitério de Akhmim, no Egito, e os nomes foram identificados em uma inscrição no caixão.

Segundo Moraes, principal autor do estudo ainda a ser publicado sobre a descoberta, Minirdis tinha macrocefalia – um distúrbio caracterizado por um cérebro anormalmente grande.

"Nós trabalhamos com muitas medidas do crânio e temos boa noção dos parâmetros de normalidade. Quando alguma medida fica fora do esperado, conseguimos identificar rapidamente", disse em entrevista ao Byte.

Um crânio pode ser considerado megalencefálico se a circunferência da cabeça estiver acima de 2,5 desvios padrão para a idade e sexo do indivíduo. Neste caso, o perímetro cefálico e o volume cerebral estão três desvios-padrão acima, segundo o pesquisador.

A máscara mortuária teve que ser reposicionada para que o caixão pudesse ser fechado sem pressionar a cabeça.

"A parte mais desafiadora foi segmentar o corpo e a máscara mortuária, para posicionar-la corretamente e atestar a falta de espaço para o fechamento do caixão", comentou.

Como as pessoas do Egito antigo guardavam gelo? Como as pessoas do Egito antigo guardavam gelo?

A imagem de Minirdis foi reconstruída usando um modelo digitalizado de seu crânio, ao qual foram adicionados tecidos moles. O processo foi por dados de pessoas vivas. Além disso, a estrutura do crânio e da pele de um doador foi virtualmente recriada e depois deformada até corresponder às dimensões de Minirdis, revelando o verdadeiro rosto.

A macrocefalia pode ser benigna, mas é capaz de causar atrasos no desenvolvimento, deficiência intelectual, convulsões e até paralisia. Apesar do diagnóstico, a causa da morte do jovem permanece incerta.

Os restos mortais de Minirdis estão na coleção do Field Museum de Chicago, nos EUA, e Moraes e os coautores Francesco Maria Galassi e Michael Habicht aguardam formalidades acadêmicas para a publicação do estudo.

Fonte: Redação Byte
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade