PUBLICIDADE

O vidro à prova de balas foi descoberto por acaso?

2 nov 2023 - 12h34
Compartilhar
Exibir comentários

Em um piscar de olhos, o mundo da segurança foi transformado por uma descoberta ocorrida em 1903 nas mãos do químico francês Edouard Benedictus. Durante experimentos em seu laboratório, o cientista acabou descobrindo, por acidente, que era possível tornar vidros mais resistentes a impactos. 

Essa revelação intrigante levou Benedictus a uma jornada científica, resultando na criação do que hoje conhecemos como vidro balístico, ou simplesmente vidro à prova de balas. 

Uma gota do acaso

Benedictus desenvolveu o vidro balístico a partir da observação de que uma película plástica poderia impedir a quebra do vidro. (Fonte: GettyImages/ Reprodução)
Benedictus desenvolveu o vidro balístico a partir da observação de que uma película plástica poderia impedir a quebra do vidro. (Fonte: GettyImages/ Reprodução)
Foto:  GettyImages  / Mega Curioso

A história do vidro à prova de balas tem suas raízes em um método peculiar chamado Gotas do Príncipe Rupert (também conhecido como "lágrima holandesa"), nomeado em homenagem ao Príncipe Rupert do Reno, no século XVII. Este método envolvia colocar vidro derretido em água fria, criando peças de vidro em forma de lágrima. Embora inicialmente intrigante, essa técnica não oferecia resistência suficiente para ser verdadeiramente útil. 

No entanto, essa experimentação pioneira inspirou pesquisas posteriores, incluindo a patente do vidro temperado concedida ao químico austríaco Rudolph Seiden em 1935, um passo crucial em direção ao desenvolvimento de vidro à prova de balas.

O verdadeiro ponto de virada ocorreu com a descoberta acidental de Benedictus. Isso mesmo, tudo começou por acaso.

Ao realizar experimentos em um laboratório na Inglaterra, Benedictus deixou cair um recipiente de vidro contendo uma solução de nitrato líquido. A expectativa era a quebra inevitável do vidro, mas algo extraordinário aconteceu: em vez de se estilhaçar em mil pedaços extremamente cortantes, o copo apenas quebrou, mantendo-se unido de uma forma inexplicável.

Após analisar com maior cuidado, o pesquisador percebeu que o nitrato havia criado uma espécie de película de plástico que evitava a quebra do vidro em milhares de pedaços. 

Sua observação perspicaz levou a pesquisas intensivas de como usar esse material para criar vidros mais resistentes a impactos.  Desse estudo nasce o vidro laminado de segurança, patenteado em 1909 na França e em 1914 nos EUA. 

Mudando a indústria de segurança

O vidro à prova de balas pode ser usado de carros tradicionais a carros fortes. (Fonte: GettyImages / Reprodução)
O vidro à prova de balas pode ser usado de carros tradicionais a carros fortes. (Fonte: GettyImages / Reprodução)
Foto:  GettyImages  / Mega Curioso

Este avanço revolucionou a indústria de segurança, encontrando aplicações vitais nas duas Guerras Mundiais. Durante esses conflitos, o vidro à prova de balas foi usado em pára-brisas de aviões, óculos de aviação e até mesmo na proteção da icônica Mona Lisa no Louvre, após um ataque em 1956.

O impacto do vidro à prova de balas também se estendeu a figuras proeminentes, como o presidente Franklin D. Roosevelt, que instalou o material na Casa Branca após o bombardeio de Pearl Harbor, garantindo uma camada adicional de proteção no Salão Oval. Da mesma forma, o Papa João Paulo II, chefiando a Igreja Católica em 1981, viu-se protegido por vidro à prova de balas no Papamóvel, após uma tentativa de assassinato.

A evolução contínua do vidro à prova de balas não apenas transformou a segurança em níveis globais, mas também exemplifica o poder da descoberta acidental e da perseverança científica. 

Mega Curioso
Compartilhar
Publicidade
Publicidade