Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Rússia pode invadir a Ucrânia a qualquer momento, dizem EUA

O principal diplomata da equipe do presidente norte-americano, Joe Biden, visitará Kiev nesta semana

18 jan 2022 15h14
| atualizado às 15h44
Compartilhar

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse nesta terça-feira que a crise na Ucrânia é extremamente perigosa e que a Rússia pode lançar um ataque ao país a qualquer momento.

O principal diplomata da equipe do presidente norte-americano, Joe Biden, visitará Kiev nesta semana, após as negociações com a Rússia na semana passada terminarem em um impasse, em meio a preocupações nos Estados Unidos e em outras nações ocidentais de que Moscou está se preparando para invadir novamente a Ucrânia.

Publicidade
EUA e Rússia debateram questões da crise na fronteira da Ucrânia
EUA e Rússia debateram questões da crise na fronteira da Ucrânia
Foto: EPA / Ansa - Brasil

Plano de contingência

 

O governo dos Estados Unidos conversou com várias empresas internacionais de energia sobre planos de contingência para o fornecimento de gás natural à Europa se o conflito entre a Rússia e a Ucrânia interromper o abastecimento russo, disseram à Reuters duas autoridades norte-americanas e duas fontes do setor na sexta-feira.

Os Estados Unidos estão preocupados que a Rússia esteja se preparando para a possibilidade de um novo ataque militar ao país que invadiu em 2014. A Rússia nega ter planos de atacar a Ucrânia.

A União Europeia depende da Rússia para cerca de um terço de seu abastecimento de gás, e as sanções dos EUA por qualquer conflito podem interromper esse fornecimento.

Publicidade

Quaisquer interrupções no fornecimento de gás da Rússia para a Europa exacerbariam uma crise de energia causada pela escassez do combustível. Os preços recordes de energia aumentaram as contas de energia do consumidor, bem como os custos das empresas e provocaram protestos em alguns países.

Autoridades do Departamento de Estado norte-americano abordaram as empresas para perguntar de onde poderiam vir suprimentos adicionais se fossem necessários, afirmaram à Reuters duas fontes do setor familiarizadas com as discussões, falando sob condição de anonimato devido à sensibilidade do assunto.

As empresas disseram aos representantes do governo dos EUA que o suprimento global de gás está apertado e que há pouco gás disponível para substituir grandes volumes da Rússia, segundo fontes do setor.

As discussões do Departamento de Estado com as empresas de energia foram lideradas pelo consultor sênior de segurança energética Amos Hochstein, disse um funcionário de alto escalão do departamento, também falando sob condição de anonimato. O órgão não pediu às empresas que aumentassem a produção, acrescentou o funcionário.

Publicidade

"Discutimos uma série de contingências e conversamos sobre tudo o que estamos fazendo com nossos parceiros e aliados", afirmou a fonte.

"Fizemos isso com a Comissão Europeia, mas também com empresas de energia. É correto dizer que falamos com elas sobre nossas preocupações e falamos com elas sobre uma série de contingências, mas não houve qualquer tipo de pergunta quando se trata de produção."

Além de perguntar às empresas qual capacidade elas tinham para aumentar os suprimentos, as autoridades dos EUA também perguntaram se as empresas tinham capacidade de aumentar as exportações e adiar a manutenção de campo, se necessário, disseram as fontes.

Não ficou claro quais empresas as autoridades dos EUA contataram.

Publicidade
Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações