Navegue tranquilo com o Antivírus do Terra e da McAfee.

Maia: "Congelamento de aposentadorias abriria espaço fiscal"

Segundo o presidente da Câmara, política seria direcionada apenas para quem recebe mais de um salário mínimo e permitiria ajudar os informais e os trabalhadores que estão fora do mercado

15 set 2020 05h11 - atualizado às 07h28
Compartilhar
comentários

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu, em entrevista ao Estadão/Broadcast, que o congelamento de aposentadorias e pensões, que está sendo estudado pelo governo, ocorre de forma provisória. De acordo com ele, dessa forma, a medida abriria espaço fiscal nos próximos dois anos. O deputado também ponderou que essa política deve ser direcionada a quem recebe mais de um salário mínimo.

Leia a entrevista abaixo:

publicidade
Uma suspensão permanente teria muita dificuldade em passar, diz Maia.
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil / Estadão Conteúdo

O sr. defende congelar aposentadorias e pensões?

Acima do primeiro salário mínimo. Mas uma suspensão por dois anos para que possa ajudar a organização do Orçamento público. Uma coisa provisória. Até porque uma coisa permanente teria muita dificuldade em passar. Os benefícios de um mínimo ficariam corrigidos. É difícil passar. Tem de se construir o texto. Se o governo vai enviar isso ou não vai, é uma decisão do governo pelo Senado. Isso abriria espaço fiscal nos próximos dois anos para que tenhamos condições de garantir o teto de gastos e resolver, no pós-pandemia, o problema dos informais e dos que ficaram fora do mercado de trabalho e que vão precisar de uma renda.

O sr. também defende a redução da jornada e dos salários dos servidores?

Eu sempre defendi isso durante a pandemia. Hoje no Brasil não pode, num momento de crise fiscal, reduzir o salário e a jornada do servidor [em função de decisão do STF].

Não é possível acionar medidas de ajuste antes de o teto de gastos estourar?

Praticamente impossível. Na verdade os gatilhos deveriam estar vinculados a um porcentual antes de chegar no estouro no teto. Não tem muito caminho a não ser tentar resolver antes que chegue no limite de estourar o teto de gastos. Nenhuma saída, como está sendo colocada, vai resolver o problema. Apenas vai gerar uma insegurança jurídica, política e econômica. É melhor o Senado aprovar logo a PEC (que antecipa o acionamento desses gatilhos) e encaminhar para a Câmara para promulgar até o fim do ano. Para que tenhamos dois anos de tranquilidade para que os efeitos de aprovação das reformas tributária, administrativa e previdenciária possam ser sentidos ao longo dos próximos três a quatro anos.

Veja também:

Video Player
Flagrado com dinheiro na cueca, Chico Rodrigues pede afastamento do Senado por 90 dias
Fique por dentro das principais notícias
Receba notificações
publicidade
Veja também
Mais lidas do Terra
Últimas notícias