0

Equador: conheça a riqueza ao redor de Cuenca, na província de Azuay

Gastronomia exótica, artesanato rico e joias em ouro e prata fazem dos arredores de Cuenca um passeio encantador

  • separator
  • 0
  • comentários

Um dos destinos turísticos mais procurados pelos turistas que visitam o Equador é Cuenca, a 441 km ao sul de Quito, capital do país. Localizada na província de Azuay, a cidade andina com charme colonial oferece um passeio ainda mais completo se levada em consideração a riqueza cultural, comercial e gastronômica dos povos que estão ao seu redor.

<p>Vista registrada em um domingo ensolarado no povoado de Quingeo</p>
Vista registrada em um domingo ensolarado no povoado de Quingeo
Foto: Juliana Rigotti / Terra

Para um contato maior com a população desta encantadora província, a dica é fazer um tour pelos povoados vizinhos de Cuenca, onde se tem a chance de conhecer os hábitos dos moradores e se surpreender com a riqueza dos artesanatos produzidos pelos artistas locais. Em um único dia, o turista pode fazer a rota do Corredor Turístico do Rio Santa Bárbara e conhecer Sígsig, Chordeleg, e Gualaceo.

<p>Com o uso de um maçarico, morador prepara Cascarita em Quingeo</p>
Com o uso de um maçarico, morador prepara Cascarita em Quingeo
Foto: Juliana Rigotti / Terra

Pelo caminho, quando se passa por Quingeo, por exemplo, não é difícil encontrar um morador preparando, no meio da calçada, uma Cascarita, prato típico da região. Trata-se de um porco inteiro assado com o uso de um maçarico. Antes de comer, a casca negra que se forma na pele do suíno é raspada.

Já no povoado de San Bartolomé, pertencente ao cantão de Sígsig, barracas montadas na praça central preparam os famosos cuyes, conhecidos no Brasil como porquinhos da índia. Os animais, que fazem parte da gastronomia não só do Equador, mas de outros países latinos, como o Peru, são colocados inteiros em um pedaço de madeira e assados diretamente no carvão. Porém, só no país há 36 receitas que podem ser feitas com o roedor.

Para a população local, os cuyes não são apenas um alimento: eles têm um significado espiritual. De acordo com a guia Susana Muñoz, da Fundação de Turismo de Cuenca, os porquinhos da índia são criados dentro de casa. “Eles acreditam que os bichos fazem barulho e ficam inquietos para sinalizar que uma visita não é bem vinda. Além disso, dizem que os animais presentem desastres naturais com dias de antecedência”, conta.

Ainda em Sígsig, cerca de 40 famílias se dedicam à produção de violões e violinos em um processo totalmente manual. É o caso do artesão Santiago Uyaguari, que - dando continuidade ao trabalho iniciado por seu avô e seguido pelo seu pai - tem uma das oficinas mais conhecidas da região: a San Bartolomé Guitarras Uyaguari. Com qualidade indiscutível, a riqueza dos detalhes nos instrumentos surpreende. Algumas das peças são produzidas especialmente para a Orquestra Sinfônica de Cuenca e outras são feitas a pedido de músicos locais e estrangeiros. Para a elaboração, Santiago usa madeiras como o pinho branco, o pinheiro espanhol e ébano. O preço dos violões varia de US$ 65 a US$ 400, dependendo do material utilizado.

<p>Cerâmica em miniatura é produzida por casal em Chordeleg</p>
Cerâmica em miniatura é produzida por casal em Chordeleg
Foto: Juliana Rigotti / Terra

Em Chordeleg, conhecida também como “a terra das joias”, o turista encontra inúmeras lojas que vendem anéis, pulseiras e colares feitos em ouro e em prata. Na região também há um estabelecimento especializado na produção de cerâmica em miniaturas, de propriedade do casal Fernando Loja e Rosa Guzmanm. Eles são os únicos que fazem esse tipo de trabalho no Equador. As peças, detalhistas e exportadas para diversos países, remetem à cultura dos povos equatorianos. A loja fica na rua 15 de Abril, próximo a Chaurínzhín.

<p>Mercado de Gualaceo é movimentado aos domingos; comerciante prepara cuye no carvão</p>
Mercado de Gualaceo é movimentado aos domingos; comerciante prepara cuye no carvão
Foto: Juliana Rigotti / Terra

Por fim, o turista não pode deixar de visitar Gualaceo, fundada pelos espanhóis em 1554, três anos antes de Cuenca, construída em 1557 sobre a cidade inca de Tomebamba. Além das lojas que vendem sapatos de couro, que podem ser encontrados por apenas U$S 17, a possibilidade de mergulhar na cultura local se torna real ao visitar o Mercado de Gualaceo.

Um bom dia para ir ao local é domingo, quando as famílias se reúnem para saborear os cuyes e o chamado hornado, um porco assado inteiro geralmente em forno de barro. O prato é típico do Equador e no mercado em questão pode ser encontrado em mais de 10 barracas. Ele é servido com tortillas de batata e mote, um tipo de grão cozido.

No retorno à Cuenca, não deixe de parar na Casa de La Makana, mantida por José Jimenez e sua mulher, Ana Maria Ulloa. Localizada na área de San Pedro das Oliveiras, a oficina produz as tradicionais makanas, xales feitos a partir da técnica inca milenária chamada IKAT. Cada peça tem um desenho único e todos os materiais utilizados em sua produção são naturais. As tintas que dão cor aos xales, por exemplo, são extraídas de sementes, plantas, insetos e minerais. O preço inicial da makana é de US$ 25.

Como chegar ao Equador?
Desde 2 de setembro deste ano, a Tame (Línea Aérea del Ecuador) está operando voos diretos de São Paulo à Quito, que saem do Aeroporto Internacional de Guarulhos/Cumbica (GRU) com destino ao novo Aeroporto Internacional Mariscal Sucre, inaugurado em fevereiro, e localizado a cerca de 40 minutos do centro de Quito.

Com capacidade para 120 passageiros nos modelos Airbus A319 e A320 e duração de seis horas e quinze minutos, o voo EQ532 parte de São Paulo às terças, quintas e sábados às 17h15 e chega à capital equatoriana às 20h30 (considerando horários locais atuais, incluindo o horário de verão). Na volta, o voo EQ531 decola de Quito nos mesmos dias da semana às 7h40 e chega a São Paulo às 16h25 (também considerando horários locais atuais). A passagem de ida e volta custa US$ 677, cerca de R$ 1,5 mil, já com as taxas incluídas

Os voos pela Tame entre Quito e Cuenca, com duração de 50 minutos, custam entre US$ 44 e US$ 106. De carro, o percurso demora até 10 horas.

O Terra viajou a convite do Ministério de Turismo do Equador com apoio da Tame Airlines

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade