PUBLICIDADE

Endereços que retratam a história negra no bairro da Liberdade

Antes das lanternas japonesas e da forte presença oriental, o bairro foi palco de violência contra pessoas escravizadas

13 jun 2024 - 10h19
(atualizado às 10h49)
Compartilhar
Exibir comentários

É bem provável que ao pensar sobre o bairro da Liberdade , no centro de São Paulo , o que venha à mente seja a Rua Galvão Bueno , como as lanternas de estilo japonês (suzurantos) e o portal vermelho de nove metros (torii) no começo do Viaduto Cidade de Osaka .

Além da arquitetura japonesa, é óbvio associar a região com feiras, restaurantes, mercadinhos e galerias de produtos geek, mas o bairro já teve muitas outras caras. 

Os primeiros imigrantes japoneses chegaram por volta de 1912 e a Liberdade só começou a tomar a forma que conhecemos hoje na década de 1970, quando o projeto era transformá-la em um bairro aos moldes de Chinatown , em Nova York .

E ainda antes da transformação em ponto turístico e centro de cultura japonesa, a região não se assemelhava à imagem que temos dela hoje. Nos séculos 18 e 19, o bairro abrigava uma grande comunidade de pessoas negras escravizadas, além de espaços de tortura dos cativos.

A Praça da Liberdade , por exemplo, onde acontece a tradicional Feira aos fins de semana, era conhecida como Largo da Forca. Entre 1765 e 1874, pessoas condenadas à pena de morte eram enforcadas em público ali; muitas das condenações eram de escravizados que tentaram fugir. Um pelourinho também existia no local.

Abaixo, você confere outros endereços que contam a história negra da Liberdade :

Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados

Em 20 de setembro de 1821, o soldado negro Francisco José Chagas, conhecido como Chaguinhas, foi condenado à forca após liderar uma revolta entre cabos contra atrasos no pagamento dos salários em Santos

Conta-se que no momento da execução, a corda rompeu três vezes e a população admirada clamou por "liberdade!" - uma das explicações possíveis para o nome do bairro. Chaguinhas, no entanto, não foi perdoado e foi morto a pauladas.  

Uma cruz foi erguida onde Chaguinhas morreu e se tornou um espaço de peregrinação e rezas. Tempos depois, em 1887, a Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados foi construída no local.

Onde? Praça da Liberdade, 238.

A Igreja Santa Cruz da Alma dos Enforcados foi construída em homenagem a Chaguinhas, soldado negro morto a pauladas
A Igreja Santa Cruz da Alma dos Enforcados foi construída em homenagem a Chaguinhas, soldado negro morto a pauladas
Foto: Rodrigo Tetsuo Argenton/Wikimedia Commons / Viagem e Turismo

Capela dos Aflitos

O enterro dos condenados à morte na forca, dos escravizados e das pessoas indigentes era feito perto do Largo da Forca, no Cemitério dos Aflitos , que funcionou de 1775 até 1858, quando o Cemitério da Consolação foi inaugurado. 

A Capela dos Aflitos , tombada em 1978, é a única estrutura que sobrou do Cemitério. Chaguinhas foi enterrado no local e se tornou padroeiro da igreja, mas não pode ser chamado de santo porque não foi canonizado. Ainda assim, uma missa em sua homenagem sempre é rezada no dia 20 de setembro, quando foi morto.

A Capela passa despercebida, afinal está no final de uma rua sem saída, acuada por prédios e com uma fachada deteriorada. 

Em 2019, nove ossadas do século 18 foram descobertas durante a construção de um prédio na Rua Galvão Bueno, perto da Capela dos Aflitos . Diante da descoberta, foi determinada a criação do Memorial dos Aflitos no local, mas a construção ainda não avançou por divergências sobre o projeto. 

Onde? Rua dos Aflitos, 70.

A Capela dos Aflitos fazia parte do Cemitério dos Aflitos, onde escravizados eram enterrados como indigentes
A Capela dos Aflitos fazia parte do Cemitério dos Aflitos, onde escravizados eram enterrados como indigentes
Foto: Gabrielagk/Wikimedia Commons / Viagem e Turismo

Estátua de Madrinha Eunice

Deolinda Madre - nome de batismo de Madrinha Eunice - é um símbolo de ativismo negro e feminino. Em 1973, a sambista fundou a Escola de Samba Lavapés Pirata Negro , a mais antiga de São Paulo ainda em atividade.

Madrinha Eunice nasceu em Piracicaba , no interior de São Paulo , em 1909 e se mudou para a capital aos 12 anos. Sempre morou no bairro da Liberdade e era chamada de "madrinha" porque batizava crianças - foram mais de 40 ao longo da vida. 

A matriarca do samba paulistano foi uma das primeiras mulheres a estar à frente de uma escola de samba em São Paulo e ainda teve papel importante na luta pela oficialização do carnaval na cidade.

A estátua em sua homenagem foi inaugurada em 2022. Trata-se de uma escultura de bronze tem 1,70 de altura e retrata Madrinha Eunice dançando com turbante, saia rodada e colares.

Onde? Praça da Liberdade.

Madrinha Eunice foi pioneira no samba paulista com a fundação da Escola de Samba Lavapés Pirata Negro
Madrinha Eunice foi pioneira no samba paulista com a fundação da Escola de Samba Lavapés Pirata Negro
Foto: Rovena Rosa/Wikimedia Commons / Viagem e Turismo
Viagem e Turismo
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade