PUBLICIDADE

Seu pet está com bafo? Saiba como tratar o mau cheiro!

Descubra as causas e trate do mau hálito do seu bicho de quatro patas

15 abr 2021
0comentários
Publicidade
Mau hálito dos pets
Mau hálito dos pets
Foto: Shutterstock / Alto Astral

Nada mais prazeroso do que brincar com seu pet e receber diversas demonstrações de afeto com as lambidas dos peludinhos. A única coisa que pode ser desconfortável na hora de se divertir com o animal é o mau hálito que ele possa vir a ter.

Entretanto, o bafo pode ir muito além do mau cheiro. Segundo a veterinária Adriana Geraldo Viccidomini, o hálito forte de cães e gatos não é normal e pode ser indicativo de problemas estomacais. "O cheiro forte pode ser sinal de refluxo, gastrite e problemas gastrointestinais. Para resolver é preciso procurar um médico veterinário da sua confiança e fazer os exames clínicos com o tratamento adequado" explica a Dra.

O bafo também pode ser sinal de má higiene bucal, o que leva a proliferação de bactérias da boca, formação de tártaro, inflamação na gengiva, podendo formar até mesmo um tumor.

Shutterstock
Shutterstock
Foto: Alto Astral

Para evitar essa proliferação de bactérias, escovar os dentes é essencial para que a boca do seu melhor amigo fique saudável. A recomendação da especialista é escovar diariamente, mas se não for possível, tentar ao máximo três vezes por semana.

Outra boa pedida para deixar seu amiguinho com as lambidas mais agradáveis é comprar ossos e palitos mastigáveis. "Hoje no mercado dos pets, existem ossos, palitos e brinquedos específicos para auxiliar na limpeza dos dentes, mas não substitui de forma alguma a escovação", esclarece a veterinária.

Existem também pastas de dente específicas para animais, sprays e enxaguantes bucais que são colocados no pote de água do animal para que seu hálito fique menos fedorento.

Se todas as alternativas de higienização bucal não fizerem efeito e o animal continuar com o mau hálito, o ideal é procurar um médico veterinário para investigar se o pet está enfrentando algum problema intestinal, renal, hepático, ou até mesmo endócrino.

Consultoria: Dra. Adriana Geraldo Viccidomini, veterinária

Alto Astral
Publicidade
Publicidade