PUBLICIDADE
Logo do

Novidades

Colega com halitose: como lidar com o problema no trabalho

Abordar esse tema no escritório não é fácil e requer cuidado. Diálogo, palestras e alertas anônimos podem ser opções

1 mai 2015 08h00
Publicidade

Uma pesquisa da Associação Brasileira de Halitose mostrou que a maioria dos portadores de mau hálito se sente grato por ter sido alertado a respeito da situação. Mas e quando esse problema está no meio profissional? Qual a melhor forma de avisar um colega que ele está com um “bafinho”? 

A verdade é que a halitose atrapalha a vida profissional e pessoal de qualquer pessoa e, não importa onde ela aconteça, sempre será um tema de difícil abordagem. Independente disso, Fernando Bueno, gerente de Recursos Humanos da Duarte&Dantas Associados, acredita que o diálogo deve sempre ser a primeira opção. 

“De forma discreta, o assunto deve ser abordado, mas é necessário estar preparado para uma recepção negativa. A falta de diálogo pode fazer comentários maldosos crescerem nos corredores e criar um clima ainda mais hostil dentro da empresa. Ignorar esse problema pode fazer com que empresas percam bons funcionários”, diz Fernando. 

Foto: Lisa S. / Shutterstock

Já para Christina Iamnhuque, responsável pelo Departamento Pessoal da Associação Desportiva São Caetano, há outras formas de abordar o tema sem causar constrangimentos aos funcionários. “A pessoa que está passando por esse problema muitas vezes nem sabe disso, portanto merece respeito e acolhimento. Uma opção alternativa é a empresa oferecer palestras que alertem todos sobre o problema e como lidar com ele no meio empresarial. Dessa forma, todos ganham sem constrangimento”, diz Christina. 

Uma terceira opção é fazer o alerta de forma anônima. O SOS Mau Hálito é um serviço gratuito da Associação Brasileira de Halitose. “Basta entrar no site, digitar o endereço de email da pessoa que sofre com o problema que o site manda um aviso, anônimo, para ela”, diz Arany Tunes, dentista especializado no tratamento da halitose.  

Halitose x sucesso profissional
Quem sofre com o mau hálito muitas vezes, por vergonha, deixa de socializar e até mesmo de se destacar dentro da empresa em que trabalha e é por isso que o alerta se faz tão necessário. 

“Conheço dezenas de pessoas que não aceitaram uma promoção no emprego, simplesmente para não ter que participar de reuniões ou situações em que ele seria o foco das atenções”, diz Arany. 

Principal inimigo: o estresse
O ambiente empresarial altamente competitivo é uma das causas mais comuns de estresse atualmente. E o estresse é umdos principais gatilhos para a halitose. “O estresse provoca alterações salivares, no padrão do sono, mudanças alimentares e comportamentais que podem resultar no aparecimento do mau hálito. No caso das alterações salivares, a imunidade da cavidade oral fica comprometida, favorecendo o crescimento de bactérias que podem provocar mau cheiro”, diz o especialista. 

Por isso, não é raro ver pessoas relatarem que o mau hálito surgiu "coincidentemente" com uma fase complicada no trabalho. Mas o problema é quando essa fase complicada passa, mas o mau hálito permanece. “O importante é ficar alerta para os sinais que nosso organismo emite: boca seca, gosto amargo na boca e sensação de que ela não está limpa mesmo depois de escovar os dentes são alertas de que algo está errado e que você pode estar com o hálito alterado. Pergunte para alguém da sua intimidade ou procure um especialista no assunto”, diz Arany.

 

Fonte: Agência Beta Este conteúdo é de propriedade intelectual do Terra e fica proibido o uso sem prévia autorização. Todos os direitos reservados.
Publicidade