Abacaxi causa afta, e suco de couve previne; tire dúvidas

16 jan 2013
07h08
atualizado às 10h10
  • separator
As aftas atingem cerca de 20% da população mundial, sobretudo jovens adultos. A propensão nas mulheres também é maior de dois para um. As causas ainda não são conhecidas, mas, segundo a dermatologista Vanessa Metz, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, 30% das pessoas que tem afta recorrente tem histórico familiar.
As aftas atingem cerca de 20% da população mundial, sobretudo jovens adultos. A propensão nas mulheres também é maior de dois para um. As causas ainda não são conhecidas, mas, segundo a dermatologista Vanessa Metz, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, 30% das pessoas que tem afta recorrente tem histórico familiar.
Foto: Shutterstock

 

Começa com um ardido na boca, seguido por coceira ou formigamento, mas pode chegar a um estágio que até beber água fica difícil. É inevitável dar uma olhadinha no espelho para saber qual o motivo de tamanho incômodo, e lá está ela: a afta. Isso quando elas não vêm em duplas ou trios.
 
As aftas atingem cerca de 20% da população mundial, sobretudo jovens adultos. A propensão nas mulheres também é maior – de dois para um. As causas ainda não são conhecidas, mas, segundo a dermatologista Vanessa Metz, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, 30% das pessoas que tem afta recorrente tem histórico familiar.
 
Ainda assim, há quem culpe um trauma na boca e até o abacaxi como causadores dessas lesões dolorosas. Mas será que há tratamento ou cura para o problema? Especialistas respondem algumas das principais dúvidas em torno do assunto.
 
O que são aftas? 
Aftas são ulceras rasas de aproximadamente 1 cm de diâmetro que aparecem na cavidade oral. São lesões benignas, extremamente dolorosas, que acometem cerca de 20% ou mais da população mundial. “Elas podem ser brancas ou amareladas e podem aparecer na mucosa bucal, língua, gengiva”, diz a estomatologista, Carméli Sampaio, consultora científica da Associação Brasileira de Odontologia (ABO).
 
Quais são as causas das aftas? 
Não existe uma causa determinante estabelecida para o aparecimento da afta. Existem evidências científicas de como é desencadeado o seu aparecimento, como a predisposição genética e fatores ambientais. Pequenos machucados na boca decorrentes da escovação da maneira inadequada deixam o ambiente propicio, por exemplo. 
 
“Sistema imunológico debilitado, estresse emocional e doenças do aparelho digestivo também estão entre as causas”, afirma a dermatologista Vanessa Metz, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.
 
O problema atinge igualmente homens e mulheres? Há uma idade em que a afta apareça mais? 
“As mulheres são as mais atingidas, em uma proporção de dois para um”, conta Carméli Sampaio. Pode acometer uma larga faixa etária, da infância até a idade adulta, com maior frequência, em adultos jovens.
 
Quais são os sintomas? 
Ardor e queimação são os sintomas principais, e a queixa mais comum é a dor intensa. Ocorre o aparecimento de pontos vermelhos que evoluem para uma úlcera com o centro branco ou amarelado.
 
Segundo a estomatologista, dependendo do local afetado, há desconforto ao falar, comer e engolir. “Sintomas como queimação, ardor, ou um sinal como o aparecimento de uma pequena vesícula podem surgir, na região, um dia ou dois antes do aparecimento da lesão”, explica Carméli.
 
Como distinguir a afta de outras lesões bucais? 
As aftas não são câncer nem causam câncer. No entanto, alguns tipos de câncer podem primeiro se parecer com uma úlcera bucal que não cura. “Normalmente apenas o exame clínico é suficiente, mas se houver suspeita de alguma outra doença, pode ser necessário uma biopsia”, diz Vanessa Metz.
 
Qual a diferença entre afta e estomatite? 
A estomatite é um processo inflamatório da mucosa bucal, ou de estruturas ali localizadas (lábio, língua, bochechas, gengivas, palato, assoalho bucal, orofaringe). 
No caso afta, há ulcerações dolorosas. “A estomatite e uma inflamação bucal e possui diversas causas, dentre elas as aftas”, explica a dermatologista Vanessa Metz.
 
Qual o tratamento para afta? 
Segundo a Vanessa Metz, não há necessidade de um tratamento específico, pois as aftas somem espontaneamente em até duas semanas. O que pode ser feito é medicar os sintomas para diminuir a dor. Bochechos com líquidos analgésicos, pomadas anti-inflamatórias e analgésicos são os mais indicados. “Em casos mais graves, podem ser usados corticoides, que devem ser receitados por um estomatologista”, recomenda Carméli Sampaio. O tratamento vai diminuir a dor e acelerar o processo de cicatrização.
 
Há receitas naturais para melhorar os sintomas? 
A dermatologista Vanessa Metz recomenda evitar alimentos muito condimentados e deixar uma pedra de gelo derreter na boca para aliviar os sintomas. Já a estomatologista Carméli Sampaio lança mão de chás de plantas com princípios ativos que contenham anti-inflamatórios (malva, hamamélis, camomila). Segundo ela, a homeopatia também apresenta bons resultados. 
 
Segundo Carméli, pesquisas mostram que própolis auxilia na cicatrização do tecido, porém há aumento da ardência da lesão no início do tratamento. “O bicarbonato de sódio apenas alivia a dor, no entanto, pode provocar uma queimadura química e dificultar a cicatrização”, alerta.
 
É verdade que abacaxi dá afta? 
Na verdade, todas as frutas cítricas aliadas a outros componentes ou fatores desencadeantes do processo podem favorecer o aparecimento de aftas, mas não são causadoras do problema.  “O abacaxi é um alimento ácido que pode ser irritante no caso de já haver pequenos machucados na boca ou já existir uma doença inflamatória no estômago”, diz Vanessa.
 
Quais complicações podem ocorrer se a afta não for tratada? 
Em uma lesão diagnosticada como afta nenhuma complicação pode ocorrer. “Porém, é indicado procurar um médico se as lesões aftosas durarem mais de três semanas, se forem recorrentes ou se forem muito grandes”, recomenda a dermatologista.
 
Suco de couve previne aftas? 
Apesar de as profissionais desconhecerem comprovações científicas sobre a ação da cousa na prevenção de aftas, Vanessa indica o suco. “A couve tem ação anti-inflamatória, então realmente é indicada para quem tem aftas recorrentes”.
 
Quando há dificuldade para comer e beber por causa da afta o que a pessoa deve fazer para se alimentar e evitar a desidratação? 
A estomatologista indica que é preciso manter uma higienização oral adequada, com uso de colutórios sem álcool, anti-inflamatórios tópicos e analgésicos. “Em casos mais graves, é bom procurar serviços médicos para avaliação da necessidade de hidratação endovenosa”, orienta.
 
Fonte: Intere Fonte: Terra
publicidade