PUBLICIDADE

Nova subvariante da covid-19 é encontrada no Mato Grosso

Chamada de JN 2.5, a cepa foi identificada em quatro pacientes do sexo feminino que tiveram quadro grave da doença; Secretaria Estadual de Saúde do MT diz que não há motivo para pânico

22 jan 2024 - 15h07
(atualizado às 15h36)
Compartilhar
Exibir comentários
Vírus da covid-19
Vírus da covid-19
Foto: iStock

O Laboratório Central da Secretaria de Estado de Saúde do Mato Grosso sequenciou e identificou uma nova subvariante do coronavírus em uma pesquisa realizada entre 16 e 18 de janeiro. Chamada de JN 2.5, a cepa é uma variação da Ômicron e, até então, não tinha sido encontrada no Brasil - países como Canadá, França, Polônia, Espanha, Estados Unidos, Suécia e Reino Unido já detectaram a JN 2.5.

De acordo com a Secretaria, quatro pacientes do sexo feminino testaram positivo para a subvariante ao longo da pesquisa. Todas tiveram quadros graves da covid-19, com demanda de hospitalização, e uma morreu. "A equipe de Vigilância da SES ainda investiga o caso e não é possível afirmar que a causa da morte foi a covid-19?, informou a pasta. A paciente já tinha doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

As outras três pacientes já receberam alta médica, estão estáveis e seguem em isolamento domiciliar sob acompanhamento da Vigilância Municipal (a cidade não foi informada). Conforme relatório da pesquisa, foram selecionadas e sequenciadas 15 amostras positivas para covid-19 nos municípios de Cuiabá (8) e Várzea Grande (7). Todas as cepas encontradas são de variações da Ômicron.

Após nova cepa de covid, Saúde libera reforço da vacina bivalente Após nova cepa de covid, Saúde libera reforço da vacina bivalente

Notícia não é motivo de pânico, mas uso de máscara em quadros gripais é recomendado

Apesar dos casos graves, a secretaria afirma que "não é necessário criar pânico" em relação à nova subvariante. A pasta ressalta, no entanto, que é importante ficar em alerta aos sintomas gripais e sempre utilizar máscaras em caso de suspeita de gripe ou resfriado, "além de lavar as mãos com sabão e/ou higienizar com álcool 70%".

"É importante também procurar a unidade de saúde mais próxima para que o médico defina a melhor condução do quadro. É imprescindível também a vacinação contra o coronavírus. Somente a imunização é eficaz na prevenção contra a doença", ressalta a superintendente de Vigilância em Saúde, Alessandra Moraes. "A SES trabalha no monitoramento do vírus e na identificação da classificação de risco."

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade