0

Hospital do Maracanã tem funcionários dormindo no chão

Imagens mostram más condições oferecidas pelo governo do Estado na unidade de saúde

15 mai 2020
13h27
atualizado às 13h38
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

RIO - Funcionários do Hospital de Campanha do Maracanã, de responsabilidade do governo estadual do Rio, denunciaram más condições de trabalho e até mesmo depósito irregular de material possivelmente contaminado pelo novo coronavírus. Alguns profissionais de enfermagem chegaram a dormir no chão.

Hospital de campanha montado no pátio da fábrica da Mercedes no ABC Paulista
Hospital de campanha montado no pátio da fábrica da Mercedes no ABC Paulista
Foto: Divulgação/Mercedes-Benz / Estadão Conteúdo

Na quinta-feira, imagens gravadas por um funcionário e enviadas à TV Globo mostravam enfermeiros e técnicos em enfermagem descansando em colchões colocados diretamente no piso. Nesta sexta, a emissora mostrou sacos de roupas depositados dentro de uma das bilheterias do estádio. O material pode estar contaminado e fica ao alcance de quem passa pela calçada. Um morador de rua foi flagrado dormindo bem ao lado.

O Hospital de Campanha do Maracanã é de responsabilidade do Estado e gerido pela Organização Social Iabas. Procurada pelo jornal O Estado de S. Paulo, a Secretaria Estadual de Saúde informou que "após denúncias sobre local inadequado para repouso dos profissionais de saúde do hospital de campanha do Maracanã e vistoria da equipe técnica da pasta, a questão foi solucionada e garantida que não irá se repetir".

De acordo com a SES, "agora o espaço de descanso está à disposição das equipes com 110 leitos. Todas as camas e espaços serão utilizadas por equipe multiprofissional, sem distinção entre médicos e outros profissionais. A SES também exige que, desse total de 110, sejam instalados ar-condicionado para 60 leitos, que ainda não contam com os equipamentos".

A secretaria declarou que realizou vistorias na quinta e nesta sexta-feira, mas não comentou sobre o depósito de roupas. A Iabas ainda não se manifestou.

Veja também:

De andador, veterano de guerra de 99 anos arrecada milhões para saúde pública britânica
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade