PUBLICIDADE

7 hábitos que podem causar dor de cabeça

Médica explica como alguns cuidados no dia a dia são importantes para ajudar a prevenir esse tipo de problema

24 jun 2024 - 15h31
(atualizado em 29/6/2024 às 09h57)
Compartilhar
Exibir comentários

O incômodo de uma dor de cabeça, além de afetar a saúde e o bem-estar, pode impactar todos os compromissos do dia. As dores de cabeça do tipo cefaleia - tensional - e a migrânea - a famosa enxaqueca -, são a segunda maior causa de incapacidade global e, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a dor do tipo enxaqueca acomete mais de um bilhão de pessoas no mundo.

A dor de cabeça é uma condição que pode ser causada por alguns hábitos
A dor de cabeça é uma condição que pode ser causada por alguns hábitos
Foto: Photoroyalty | Shutterstock / Portal EdiCase

O fato destas dores serem tão comuns e atingir tantas pessoas pode estar ligado, justamente, a hábitos corriqueiros, repetidos todos os dias, que tendem a gerar os quadros de dor. "Alguns hábitos têm o potencial de causar dores de cabeça porque estão relacionados a fatores que podem desencadear alterações fisiológicas no corpo, como tensões musculares, desidratação, alterações nos níveis de neurotransmissores e hormônios que, por sua vez, podem desencadear dores de cabeça tensionais ou enxaquecas", explica a médica Elisa Rizkalla, profissional da área de Neurologia do AmorSaúde, rede de clínicas parceiras do Cartão de TODOS.

Abaixo, veja 7 hábitos comuns listados pela médica como potenciais para gerar dores de cabeça e enxaquecas:

1. Má postura

A postura inadequada, principalmente quando se passa longos períodos sentado em uma posição desconfortável, pode levar a tensões musculares na região do pescoço e dos ombros, causando dores de cabeça tensionais.

2. Consumo de cafeína em excesso

O consumo exagerado de cafeína pode causar desidratação e vasoconstrição, o que pode levar a dores de cabeça. Além disso, a interrupção brusca da ingestão de cafeína também pode desencadear o desconforto em algumas pessoas. 

Segundo a médica, a quantidade segura para o consumo de cafeína varia de pessoa para pessoa. "Em geral, especialistas recomendam que os adultos limitem o consumo da substância a cerca de 400 mg por dia, o que equivale a cerca de quatro xícaras de café. No entanto, algumas pessoas são mais sensíveis à cafeína; por isso, é importante estar atento aos sinais do próprio corpo e ajustar a ingestão conforme necessário", afirma.

3. Estresse

O estresse é um dos causadores mais conhecidos da dor de cabeça. "Quando uma pessoa está estressada, o corpo libera hormônios do estresse, como o cortisol e adrenalina, que causam a tensão dos músculos e vasos sanguíneos. Essa tensão pode levar a dores musculares na região do pescoço e da cabeça, resultando em dores de cabeça tensionais", afirma.

Segundo a médica, o estresse crônico também pode levar a problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão, que podem aumentar a sensibilidade à dor e desencadear ou agravar dores de cabeça.

Dormir bem e manter uma rotina de sono regular podem ajudar a prevenir dores de cabeça
Dormir bem e manter uma rotina de sono regular podem ajudar a prevenir dores de cabeça
Foto: Ground Picture | Shutterstock / Portal EdiCase

4. Sono inadequado

O sono inadequado pode ser um fator desencadeante ou agravante. Isso ocorre porque ele desempenha um papel importante na regulação dos processos inflamatórios, na recuperação muscular e na manutenção do equilíbrio hormonal, essenciais para a prevenção de dores de cabeça. "Por outro lado, as dores de cabeça também podem interferir na qualidade do sono, criando um ciclo vicioso em que a falta de sono leva a dores de cabeça", afirma a médica.

Algumas práticas recomendadas por Elisa Rizkalla para melhorar a qualidade do sono e prevenir dores de cabeça são:

  • Estabeleça uma rotina de sono regular: ir para a cama e acordar no mesmo horário todos os dias pode ajudar a regular o seu relógio biológico e melhorar a qualidade do sono.
  • Crie um ambiente propício para dormir: mantenha o quarto escuro, silencioso e em uma temperatura confortável. Use cortinas blackout, protetores auriculares e um bom colchão para garantir um sono tranquilo.
  • Evite cafeína, álcool e alimentos pesados antes de dormir: estes podem interferir na qualidade do sono e causar dores de cabeça. Opte por chás de ervas, leite morno ou outras bebidas relaxantes antes de dormir.
  • Pratique exercícios regularmente: a atividade física regular pode ajudar a reduzir o estresse e melhorar a qualidade do sono. No entanto, evite exercícios intensos próximo da hora de dormir.

5. Alimentação inadequada

O consumo excessivo de alimentos ricos em conservantes, gorduras saturadas, açúcares e aditivos químicos, bem como a desidratação, podem desencadear dores de cabeça em algumas pessoas sensíveis a esses alimentos. Além disso, pular refeições ou ficar muito tempo sem se alimentar também pode desencadear crises de enxaqueca em algumas pessoas. 

Elisa Rizkalla destaca alimentos com potencial para gerar as dores:

  • Queijos envelhecidos, que contêm tiramina, uma substância que pode desencadear enxaquecas;
  • Alimentos ricos em glutamato monossódico (MSG), como os processados, salgadinhos e molho de soja, podem desencadear dores de cabeça em algumas pessoas sensíveis;
  • Alimentos ricos em tiramina, como bananas, abacates, vinho tinto e chocolate;
  • Bebidas alcoólicas, especialmente vinho tinto, cerveja e destilados.

"É importante observar quais alimentos desencadeiam dores de cabeça em você e tentar evitá-los, mantendo uma alimentação saudável e equilibrada. Consultar um médico ou nutricionista também pode ajudar a identificar e gerenciar possíveis gatilhos alimentares para dores de cabeça", destaca a médica.

Consumir bastante água é importante para evitar dores de cabeça
Consumir bastante água é importante para evitar dores de cabeça
Foto: Perfect Angle Images | Shutterstock / Portal EdiCase

6. Pouca ingestão de água

A falta de hidratação pode contribuir para dores de cabeça, pois a desidratação tende a levar à diminuição do volume de sangue e, consequentemente, à redução do fluxo sanguíneo para o cérebro. "A quantidade de água recomendada diariamente pode variar de acordo com o peso, idade, sexo e nível de atividade física de cada indivíduo. Como recomendação geral, é sugerido que adultos ingiram cerca de 2 a 3 litros de água por dia, o que equivale a aproximadamente 8 a 12 copos de água", afirma.

A médica destaca ainda que, como a necessidade de água pode variar de pessoa para pessoa, é essencial prestar atenção aos sinais do corpo, como sede e cor da urina, para garantir uma hidratação adequada e prevenir dores de cabeça.

7. Uso excessivo de telas

O excesso do uso de telas pode causar dores de cabeça. Isso ocorre devido à tensão nos músculos do pescoço e da cabeça causada pela postura incorreta ao usar dispositivos eletrônicos, pela exposição prolongada à luz azul emitida pelas telas, pelo esforço visual excessivo e pela falta de descanso para os olhos.

Por isso, a médica indica:

  • Mantenha uma boa postura ao usar dispositivos eletrônicos, deixando a tela na altura dos olhos e evitando inclinar o pescoço para frente;
  • Faça pausas a cada hora de uso, olhando para longe da tela por alguns minutos e alongando o pescoço e os ombros;
  • Regule o brilho da tela e utilize filtros de luz azul para reduzir a exposição a essa luz prejudicial;
  • Mantenha uma boa iluminação ambiente, evitando reflexos na tela que possam forçar os olhos;
  • Realize exames oftalmológicos regularmente para garantir que a visão esteja saudável e corrigida, se necessário.

Sintomas para ficar de olho

Geralmente, a dor de cabeça é um problema simples. No entanto, é preciso ficar atento porque, em alguns casos, ela pode indicar alguma outra condição de saúde. Por isso, procure um médico caso apresente:

  • Dor de cabeça repentina e intensa;
  • Dor de cabeça acompanhada de febre alta;
  • Dor de cabeça acompanhada de rigidez no pescoço;
  • Dor de cabeça acompanhada de perda de consciência;
  • Dor de cabeça acompanhada de visão dupla, turva ou perda súbita de visão;
  • Dor de cabeça acompanhada de fraqueza em um lado do corpo;
  • Dor de cabeça acompanhada de problemas de fala, confusão mental ou dificuldade para se locomover;
  • Dor de cabeça que piora com o tempo ou que não melhora com o uso de medicamentos.

"É importante ressaltar que, em casos de dores de cabeça persistentes e intensas, é recomendado buscar a avaliação de um médico para realizar o diagnóstico correto e receber o tratamento adequado", aconselha Elisa Rizkalla. 

Por Nayara Campos da Silva

Portal EdiCase
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade