PUBLICIDADE

3 maneiras para ficar longe de doenças cardiovasculares

Simples atitudes do cotidiano podem fortalecer a saúde e melhorar a qualidade de vida

5 set 2021 11h02
| atualizado em 6/9/2021 às 11h08
ver comentários
Publicidade
Estilo de vida é crucial para manter a saúde em dia
Estilo de vida é crucial para manter a saúde em dia
Foto: Elle Aon / Shutterstock / Saúde em Dia

Não é novidade que as doenças cardiovasculares oferecem um grande risco de vida para os pacientes. De acordo com dados divulgados pela OMS (Organização Mundial de Saúde), elas são a principal causa de morte entre humanos no mundo. Representam 16% do total de óbitos no planeta. E a principal forma de amenizar esse quadro é a prevenção.

Os problemas cardíacos, em sua maioria, estão diretamente ligados a outros males, como obesidade, má alimentação e sedentarismo. É, na verdade, uma péssima consequência do mundo atual. Pessoas com pouco tempo e muitas obrigações acabam sucateando a alimentação e deixando de praticar atividades físicas. Se tornam sedentárias e começam a ficar acima do peso. Cenário perfeito para o aparecimento de hipertensão, diabetes e problemas cardíacos.

Para preservar a saúde contra esse problema não há outra saída. É preciso transformar o estilo de vida. Dra. Aline Lamaita, cirurgiã vascular membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, e a Dra. Marcella Garcez, médica nutróloga, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia nos ajudaram a explicar melhor os três pilares para uma boa saúde vascular. Confira:

1 - ALIMENTAÇÃO

Os alimentos, quando bem selecionados, podem ser verdadeiras fontes naturais de saúde. De acordo com a Dra. Lamaita, em uma dieta balanceada é possível encontrar vitamina C, flavonoides, polifenóis e antocianinas. Ótimos aliados contra as doenças cardiovasculares. "Esses componentes têm importante atuação antioxidante e são capazes de reduzir o colesterol. Quando comemos a fruta, é melhor ainda, pois as fibras do bagaço atuam para evitar o depósito de gordura nas artérias. Além disso, a hesperidina favorece o revestimento interno dos vasos e ajuda na circulação", diz a médica.

Outros alimentos, como beterraba, gengibre, alecrim e até mesmo chocolate amargo também podem auxiliar a preservação a saúde vascular. "O chocolate com, no mínimo, 70% de cacau tem efeitos anti-inflamatórios, propriedades antioxidantes, atividades antiplaquetárias, com melhora da função vascular. Ele atua contra os danos no DNA celular, tem ação vasodilatadora e previne a formação de placa de gordura dentro das artérias", explica.

Já a Dra. Marcella Garcez alerta para os vilões da dieta. De acordo com a especialista é preciso tomar cuidado com o sal presente em alimentos industrializados. "Quando se fala em sódio, as pessoas automaticamente pensam em salgados e, em boa parte da população, o consumo excessivo está nos doces e produtos industrializados", afirma. "O sal favorece a retenção de líquidos, provoca inchaço e aumenta a pressão sobre os vasos sanguíneos", completa.

2 - ATIVIDADES FÍSICAS

A prática regular de atividades físicas, além de incentivar uma melhor circulação do sangue, também vai ajudar a prevenir causas de problemas vasculares. Aumentar o gasto calórico com exercícios é um grande aliado para o controle do peso e o combate ao sedentarismo. Junto com a alimentação adequada, eles são responsáveis diretos por evitar a obesidade e melhorar a saúde por completo.

A escolha do esporte é pessoal e deve ser algo gostoso de fazer. Vale lembrar também que é importante respeitar os limites do organismo e ir com calma, principalmente para quem se encontra em estado de sedentarismo total. "Nos momentos de descanso, o paciente pode manter as pernas elevadas para facilitar o retorno venoso", recomenda a Dra. Lamaita.

3 - SONO

Dormir pouco pode ser o erro da maioria das pessoas que buscam uma saúde melhor. É durante o sono que o corpo se recupera dos desgastes físicos e mentais do período ativo. "Dormir oito horas por dia é indispensável. Além de ajudar a manter a massa magra e regenerar as fibras musculares, o nosso organismo precisa desse descanso reparador para a manutenção das respostas imunes", conta a Dra. Garcez.

"O ideal é dormir entre sete e oito horas de forma consistente. Fugir desses valores é colocar a saúde em risco. Temos evidências extensas de que dormir cinco horas ou menos aumenta consistentemente o risco de condições adversas à saúde, como doenças cardiovasculares e até pode diminuir a longevidade", completa a Dra. Lamaita.

Saúde em Dia
Publicidade
Publicidade