PUBLICIDADE

Mulher que fez sexo com golfinho fala pela primeira vez

A pesquisadora norte-americana Margaret Howe foi alvo de escândalos na década de 1960 após descobrirem que ela mantinha relações sexuais com um golfinho para o qual tentava ensinar inglês

10 jun 2014 17h01
| atualizado às 17h36
ver comentários
Publicidade
Pesquisadora disse que o animal gostava de se esfregar nela e ela permitia
Pesquisadora disse que o animal gostava de se esfregar nela e ela permitia
Foto: BBC/ Youtube / Divulgação

Uma mulher que teve relações sexuais com um golfinho como parte de um estudo científico se pronunciou pela primeira vez para um documentário. Nos anos 1960, a pesquisadora da vida animal, Margaret Howe Lovatt, fez parte de um experimento da NASA nas Ilhas Virgens dos Estados Unidos, para ensinar a língua inglesa a criaturas marinhas.

A pesquisadora jamais havia se pronunciado sobre o assunto antes. O documentário da BBC sobre a história, intitulado The Girl Who Talked to Dolphins, será exibido no Festival de Documentário Sheffield, na quarta-feira (11). 

Em 1963, ela ajudou a transformar uma casa em um aquário de golfinhos, foi quando conheceu o golfinho a quem chamou de Pedro. Ela se apegou ao animal e logo o relacionamento progrediu para algo mais físico. “Pedro gostava de se esfregar no meu joelho, no meu pé ou na minha mão e eu permitia”, contou. “Não me sentia desconfortável”, acrescentou.

Segundo a pesquisadora, a atitude de Pedro se tornou parte regular de seus estudos e da tentativa de ensinar inglês ao golfinho. “Foi sexual da parte dele, mas não era da minha, talvez”, afirmou. Era apenas fazer parte do que estava acontecendo, como se fosse uma coceira, comparou Margaret. “Depois, seguíamos em frente”, disse.

O experimento iniciado nos anos 1960 terminou em tragédia e, por anos, correram rumores de que os golfinhos sofreram abuso de drogas, com testes de LSD, e escândalos sobre a natureza da relação entre Margaret e Pedro. 

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade