PUBLICIDADE

Quais são as "três ordens do amor"? Segui-las nos leva a uma vida mais harmônica

Seguir as "ordens do amor" promove relações mais saudáveis e sustentáveis, além de romper com padrões disfuncionais que atravessam gerações

16 fev 2024 - 15h55
Compartilhar
Exibir comentários

Já imaginou a possibilidade de desfazer padrões repetitivos e negativos das gerações passadas? As Leis Sistêmicas, denominadas por Bert Hellinger como "Ordens do Amor", formam a base do pensamento sistêmico e regem as relações humanas. No total, são três leis fundamentais que demandam respeito para manter a harmonia: Lei do Pertencimento, Lei do Equilíbrio e Lei da Hierarquia. É o que explica Mary Cristiane, advogada e psicóloga, neste texto.

"As três ordens do amor": Segui
"As três ordens do amor": Segui
Foto: las pode levar a uma vida mais harmônica - Freepik / Bons Fluidos

Quais são as "três ordens do amor"?

Lei do Pertencimento

A Lei do Pertencimento destaca o direito igualitário de todos pertencerem ao núcleo familiar. Esta lei natural opera independentemente da nossa vontade e exige a inclusão de todos os membros, vivos ou mortos. A exclusão de qualquer indivíduo pode gerar desequilíbrio e repercutir de forma negativa.

Lei do Equilíbrio

Já a segunda lei, a do Equilíbrio, permeia todas as relações humanas. Funciona como uma balança que busca a equivalência nas trocas, especialmente nos relacionamentos conjugais. A vida, o maior presente que se pode receber da família, implica uma díade constante de concessões entre pais e filhos. A quebra dessa dinâmica, seja por disfuncionalidade parental ou arrogância, pode gerar conflitos que se estendem para além do âmbito familiar e que afetam toda a sociedade.

Uma troca equilibrada nas relações exige a aceitação de receber sem necessariamente compensar, evita que o desejo de doar se transforme em desequilíbrio. Quando há um comprometimento excessivo com a compensação, a hierarquia é distorcida e gera uma sensação de sobrecarga, de injustiça. Aqueles que se colocam como superiores aos pais e ancestrais podem criar um desequilíbrio nas relações e assumirem um papel inadequado.

Lei da Hierarquia

A última ordem do amor, a Lei da Hierarquia, orienta-se pela chegada cronológica ao sistema. Isso indica que os membros mais antigos têm preferência diante dos mais recentes. Ela prioriza a família atual sobre a anterior, independentemente da qualidade do relacionamento precedente. Respeitar avós, pais e irmãos mais velhos é essencial. Sendo assim, o valor está em reconhecer a contribuição de cada geração para a continuidade do legado.

Bert Hellinger ainda destaca que a profundidade da vinculação diminui com cada nova relação, mas a precedência dela não implica necessariamente em qualidade no amor. Todos os antepassados são fundamentais para nossa existência, e, ao abrir espaço para novos vínculos, é crucial reverenciar a ancestralidade, reconhecer a força que possibilitou o surgimento da ordem atual e a expansão do legado.

Em síntese, compreender e respeitar as "Ordens do Amor" possibilita promover relações mais saudáveis e sustentáveis, além de romper com padrões disfuncionais que atravessam gerações.

Mary Cristiane é advogada e psicóloga, com especialização em Psicopedagogia Institucional e Clínica e experiência em Justiça Restaurativa, autora do livro Amarras do Destino.

Bons Fluidos
Compartilhar
Publicidade
Publicidade