PUBLICIDADE

Dor depois do sexo? 5 motivos possíveis para o seu desconforto

28 fev 2024 - 18h13
Compartilhar
Exibir comentários

De acordo com o American College of Obstetricians and Gynecologists estima que 3 em cada 4 mulheres sentirão dores ou desconfortos no sexo em algum momento da vida. Segundo Carlos Moraes, ginecologista e obstetra pela Santa Casa/SP, médico do Hospital Albert Einstein e membro da FEBRASG, há uma série de fatores que podem desencadear essa situação.

Dor depois do sexo? 5 motivos possíveis para o seu desconforto
Dor depois do sexo? 5 motivos possíveis para o seu desconforto
Foto: Shutterstock / todateen

"A dor ou o incômodo pode ser superficial ou profundo, e ter origem anatômica, hormonal, patológica e até emocional. O sofrimento pode ser tão intenso que a mulher chega a evitar o sexo por completo", diz o especialista.

Para Bárbara Bastos, sexóloga clínica e educacional pela FASEX, pós-graduanda em Sexualidade Humana pelo Child Behavior Institute of Miami, a dor na região genital é um alerta de que há algo de errado. Ou seja, não dá para ignorar!

Para extinguir a crença de que "dor no sexo é normal", conversamos com especialistas. Confira o que eles nos contaram (e que pode estar deixando seu sexo menos prazeroso):

Preservativos

Algumas mulheres podem ter reação alérgica a preservativos de látex, causando coceira, queimação e dor, tanto durante o sexo como depois. "Substitua o preservativo de látex pelo de poliuretano. Além de mais resistente, ele é composto por um material mais delicado e confortável. Mas, se a dor persistir, fale com seu médico", orienta Carlos Moraes.

Tamanho e formato do pênis

"A velha máxima de que quanto maior o pênis, mais prazer a mulher terá, sempre foi mito", afirma Bárbara Bastos. De acordo com ela, o pênis muito grosso pode causar pequenas fissuras no tecido vaginal devido à fricção. Isso causa dor e desconforto durante e após o sexo. Já o pênis mais longo pode atingir o colo do útero, tornando o sexo extremamente doloroso. "Neste último caso, evite posições que favoreçam a penetração profunda. Em relação à espessura do pênis, aposte em um lubrificante para suavizar o atrito", recomenda a sexóloga.

Contraceptivos orais

Um estudo feito por pesquisadores do Hopital du Saint-Sacrement, no Canadá, revelou que o uso prolongado de pílulas anticoncepcionais pode estar associado a diversas condições que geram fortes dores na região da vulva.

Já uma pesquisa da Universidade de Nova York, em conjunto com o Waitemata District Health Board, na Nova Zelândia, mostrou que 27% das mulheres que usavam contraceptivos, mesmo com baixa concentração de estrogênio, sentiam dores pélvicas, e apenas 17% das que não tomavam pílula tinham as mesmas dores.

Além disso, 25% das adeptas ao contraceptivo tiveram quase o dobro de episódios de dor durante ou após o sexo, contra 12% das que não faziam uso da pílula. "Neste caso, o ideal é discutir com seu médico outros métodos contraceptivos não hormonais", pontua o ginecologista Carlos Moraes.

Sêmen

A hipersensibilidade ao plasma seminal humano (HSP), conhecida como alergia ao sêmen/esperma, é uma reação alérgica muito rara e que acomete principalmente as mulheres, podendo surgir com qualquer parceiro, a qualquer momento, inclusive após anos de relacionamento.

De acordo com Carlos Moraes, o responsável por esta condição é o plasma seminal, um líquido presente no sêmen, cujas proteínas resultam nessa patologia. Embora a maioria das mulheres que enfrentam esse problema tenham entre 20 e 30 anos, existem casos em que as reações surgem apenas após os 50 anos. Também é possível que a hipersensibilidade ocorra na adolescência, logo após a primeira relação sexual.

"Para lidar com o quadro, o ideal é o uso regular da camisinha, pois ela impede o contato do sêmen com a mucosa vaginal, evitando o surgimento dos sintomas. É importante frisar que o preservativo deve ser colocado assim que derem início às preliminares, já que há risco de o líquido pré-ejaculatório entrar em contato com a região vaginal e desencadear a reação alérgica", alerta Carlos Moraes.

Tamanho dos lábios vaginais

De acordo com Luís Maatz, cirurgião plástico pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP); a configuração da genitália feminina, ou seja, o tamanho e o formato desproporcionais dos lábios vaginais, pode resultar em relações sexuais, no mínimo, desconfortáveis.

Ou seja, amiga: se você sente dores durante e/ou após o sexo, busque uma avaliação médica o mais rápido possível. Para o ginecologista Carlos Moraes, um diagnóstico preciso pode não só restaurar seu prazer, mas agilizar o tratamento de problemas mais sérios.

todateen
Compartilhar
Publicidade
Publicidade