0

Chá revelação de pais 'rivais' vira disputa entre times

Casal inovou o conceito do evento e substituiu o tradicional azul e rosa, usado para representar os gêneros do bebê, pelos times favoritos

7 nov 2019
10h19
atualizado às 11h21
  • separator
  • 0
  • comentários

No chá revelação do primeiro filho de Gabriela Alvim, torcedora do Botafogo, e Nikolas Bessa, tricolor de coração, os tradicionais azul e rosa para descobrir se o bebê é menino ou menina deram lugar ao alvinegro e ao verde, branco e grená, para divulgar algo ainda mais importante que o sexo da criança: o time pelo qual ela 'torcerá', Botafogo ou Fluminense.

Chá revelação de pais 'rivais' vira disputa entre times
Chá revelação de pais 'rivais' vira disputa entre times
Foto: Reprodução

Juntos há quase nove anos, os dois já haviam feito um acordo desde o início do namoro, para evitar que o assunto virasse polêmica familiar. Caso fosse menina, se chamaria Bella e torceria para o time da mãe; se viesse um menino, seria Lucca e vestiria a camisa do time do pai.

As duas torcidas presentes no evento do último domingo, 3, no Rio de Janeiro, eram compostas por amigos e familiares dos pais, devidamente uniformizados. Todos acompanharam o anúncio como se estivessem assistindo a uma disputa de pênaltis decisiva no Maracanã.

Melhor para Gabriela, a Bibi, que ganhou o direito de montar o enxoval de Bella com as cores de seu time e de levá-la ao estádio para torcer junto. "Eu sempre quis menina. E aí, desde quando descobrimos a gravidez, canto o hino do Botafogo para a barriga. Meus amigos ficaram bem nervosos, torcendo muito para que fosse menina também. Toda vez que o Botafogo fazia gol, comemoravam no estádio dando beijo na minha barriga", conta a mãe.

Derrotado no clássico, Nikolas não segurou o choro na hora da revelação. O pai admitiu ter sentido um misto de alegria e de tristeza no momento decisivo, mas garantiu respeitar o compromisso firmado com a namorada.

"Sempre foi meu sonho ter um filho ou uma filha que torcesse para o Fluminense, e poder levar ao estádio com meu pai. Mas agora tenho que respeitar. Quero muito que ela seja apaixonada por futebol como somos, e que a Bibi leve ela ao estádio. Faço questão de ir junto, mas vou torcer contra, obviamente", brinca o pai.

A torcida do Fluminense presente reagiu com espírito esportivo. Logo após o anúncio, partiu dos tricolores o canto de "Olê olê olê olá, Bella, Bella". Um dos amigos de Nikolas, Filipe Capuano, fez piada com o resultado do confronto. "Vamos acionar o STJD [Superior Tribunal de Justiça Desportiva]". Capuano, inclusive, levou a brincadeira a sério desde o início: preparou um traje com paletó grená, calça verde e cartola, símbolo do clube das Laranjeiras.

Avô paterno de Bella, Nestor Bessa foi outro a contemporizar a definição. "Ganhamos o que importava", disse, em referência à recente vitória do Fluminense sobre o Botafogo no Campeonato Brasileiro.

Embora o evento representasse a rivalidade mais antiga do futebol brasileiro, um elemento serviu de elo: a aversão ao Flamengo. No mesmo alambrado em que as bandeiras de Botafogo e Fluminense estavam penduradas, havia uma camisa do River Plate, que será adversário do rubro-negro na final da Copa Libertadores, em 23 de novembro. Matheus Cardoso, do lado tricolor, comentou: "O importante é que a criança não seja Flamengo".

Entenda o chá

A escolhida para preparar os balões da revelação foi Patricia Mozart, amiga de Bibi, por ser "uma pessoa fria, organizada e que não deixaria ninguém saber". Além disso, não torcia para nenhum dos dois times, condição que a colocava como uma figura imparcial na disputa. "Confesso que minha intenção era descobrir na hora com todo mundo. Mas como eu tinha entendido a ideia direitinho desde o início, a Bibi falou que confiava em mim para fazer dar certo, e aceitei a missão", disse a eleita.

Mesmo assim, Patricia só ficou sabendo do resultado horas antes do anúncio, quando começou a cumprir sua função. O envelope do ultrassom definitivo ficou escondido no quarto da mãe até o dia do evento — e só a médica sabia o sexo do bebê. Na véspera da festa, os responsáveis pela organização preencheram três balões com papéis picados pretos e brancos e outros três com papéis verdes e grenás.

No momento em que os convidados já estavam aflitos pelo anúncio, no domingo, Patricia ficou responsável por abrir o envelope, encher os três balões do time vencedor e apenas dois do perdedor. Assim a 'disputa' foi decidida em um "melhor de cinco", o time que fosse 'presenteado' com mais balões com suas cores foi o vencedor.

A tensão aumentava a cada estouro. No primeiro, Botafogo. "Vamos virar, Nense", ecoaram os tricolores. E viraram, ficando a apenas um balão da vitória, mas uma nova reviravolta fez os alvinegros explodirem de alegria: "Eu já sabia", cantaram.

A emoção do casal e da família deu o que falar. Bella, mesmo antes de nascer, conseguiu unir torcedores, lágrimas e mais de 273,8 mil pessoas que até a tarde desta quarta-feira, 6, visualizaram o vídeo do chá revelação.

Outra inovação na revelação

Fenômeno nas redes sociais em 2019, o chá revelação abre cada vez mais espaço para a criatividade. E o evento não se limita a divulgar apenas informações sobre bebês. Nesta semana, a atriz cearense Duda Riedel, de 24 anos, viralizou por um motivo nobre.

Diagnosticada em maio com leucemia mieloide aguda, ela encontrou um doador de medula com 100% de compatibilidade. Assim que soube da novidade, pediu ao médico que não revelasse a identidade da pessoa, para poder organizar a festa. As possibilidades eram as duas irmãs, Sarah e Natália, e um doador anônimo de banco. Os papéis picados vermelhos do estouro do balão indicaram que a medula viria do banco.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

E se você pudesse salvar a vida de alguém, você salvaria? Você diria sim pra alguém que você nunca viu? Que você ao menos conhece? Disseram sim pra mim. Alguém que nunca me viu, não me conhece e se quer sabe o que tenho enfrentado me disse sim. Alguém de outra parte do mundo resolveu me fazer sonhar novamente. Somos 100% (sim, 10 em 10) compatíveis e ele não deve nem imaginar, mas se tornou minha pessoa preferida do mundo. Eu já o amo como se fosse parte de mim. Ele me deu a luz. Me deu a oportunidade de renascer. Essa pessoa não me salvou apenas, ela salvou toda minha família. Ela deu a oportunidade dos meus pais me verem crescer, de conhecer os futuros filhos das minhas irmãs, de tomar mais um chá com minha avó, de abraçar meus amigos, de garantir novas conquistas, de voar mais alto, de viver. A sensação? É indescritível. A chance de uma compatibilidade tão alta? 1 em cem mil. Eu nunca deixei de ter fé e meu anjo apareceu. Obrigada meu gêmeo de medula, um dia vou te abraçar tão forte que não vou mais te largar. Nos encontraremos daqui um tempo. Vou te procurar, olhar no seu olho e dizer: muito obrigada. Doem sangue, doem órgãos, doem medula, doem vida! Se doem!!! Isso muda a vida. Obrigada redome por existir, obrigada Hemoce por terem buscado esse doador no mundo inteiro, obrigada meu Deus, obrigada minha Santinha Dulce #redome #doemedula #tutemforçamenina ??

Uma publicação compartilhada por Duda Riedel (@dudariedel) em

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade